14 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Banner Senar MS - Paisagens Rurais (10/08 a 20/08)
VELÓRIO

Turistas encontrados no Rio Miranda são lembrados por amigos e familiares em velório

Os amigos tinham vindo ao Estado para uma pescaria, mas acabaram falecendo em acidente com a embarcação, foram velados ontem no Paraná

31 julho 2020 - 09h06Victória de Oliveira
João Melitão Cagni, 59, e Dirceu Casagrande, 66, são duas das vítimas do acidente
João Melitão Cagni, 59, e Dirceu Casagrande, 66, são duas das vítimas do acidente - (Foto: Divulgação)
FAMASUL - SENAR

Saiba Mais

Família e amigos estão se despedindo desde ontem (30) dos turistas curitibanos encontrados mortos no Rio Miranda em Corumbá, a 420 km de Campo Grande. Os três amigos, dois deles pescadores e um piloto, tiveram seus corpos encontrados pelos bombeiros entre domingo (26) e terça-feira (28) após uma embarcação abandonada ser identificado no rio. Dirceu Casagrande, 66, Nelson Balbinot, 65, e João Melitão Cagni, 59, vieram a Mato Grosso do Sul para uma pescaria.

João Melitão Cagni foi sepultado ontem no Cemitério Municipal de Morretes, cidade no interior do Paraná onde a maior parte da família do pescador reside, a 68 km de Curitiba, onde morava. Dirceu Casagrande e Nelson Babinot foram cremados nos cemitérios da Capital paranaense Vertical e Vaticano, respectivamente.

Nelson e Melitão faziam parte de um grupo de torcedores do Club Athletico Paranaense, e clube emitiu nota de pesar na última terça-feira (28) pelo falecimento dos sócios. “É um dia triste para toda a comunidade athleticana. Foi confirmada a informação que dois torcedores rubro-negros e Sócios Furacão nos deixaram, após um trágico acidente no Pantanal Mato-Grossense.”, lamenta o time em trecho da nota.

Ainda, um amigo de Nelson e João Melitão, integrantes do grupo Amigos do Mirante, o qual reúne torcedores do Athletico, Gherman Maia de Siqueira, 58, relatou ao site Gazeta do Povo que acredita que os dois morreram fazendo aquilo que mais gostavam na vida. “Uma grande perda, pois eles uniam o amor pelo Athletico com a pescaria. Falavam sempre do Pantanal e com orgulho. Eles tiveram uma linda trajetória por aqui”, disse.

Os turistas desapareceram, na tarde do dia 24, no rio Miranda. Segundo o Corpo de Bombeiros, a embarcação alugada dos pescadores foi encontrada com a chave de segurança estava engatada no barco e todos os coletes dentro. Após quatro dias de buscas intensas iniciadas no último sábado (25) que contaram com cinco bombeiros do Estado, as vítimas foram localizadas. Dirceu foi o primeiro a ser encontrado, no domingo (26), a 500 metros do barco. Depois acharam Nelson, na segunda (27) e João Melitão, na terça (28), encerrando as buscas.

A explicação de que um enxame de abelhas atacou a embarcação, forçando os três amigos a pularem do barco, foi desmentida. Em relato ao portal A Crítica, o comandante dos bombeiros, Cel. Joilson Amaral, afirmou que “No local que os pescadores passaram não tem nenhum sinal de abelhas ou algo assim. A informação do ataque das abelhas veio das famílias ribeirinhas que moram na região, mas a colisão que o barco teve com a árvore é o principal indício de que tenha sido o motivo deles caírem na água e não conseguirem nadar até a margem. Não acreditamos que tenha sido um ataque de abelhas a causa deles pularem no rio, já que eles teriam deixado para trás todos os coletes.”, deixando como provável causa a colisão com uma árvore.

O provável motivo do acidente e, posteriormente, do falecimento dos pescadores foi a batida da embarcação com a árvore. “Os corpos foram encontrados totalmente deteriorados, por conta dos ataques de piranha. A única evidência que temos até o momento é o amassado na estrutura do barco, e vamos continuar trabalhando em cima disso”, apontou o Cel. Amaral.

Banner Whatsapp Desktop
Cornavirus
agecom - fullbanner