14 de agosto de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
agecom
AÇÃO SOCIAL

Ações solidárias ajudam crianças carentes a passar tempos de pandemia com mais qualidade de vida

29 julho 2020 - 15h16 Por Rosana Siqueira

Enquanto muitos temem o vírus da covid e se isolam em casa, algumas pessoas, tomando os devidos cuidados, saem para locais esquecidos da Capital visando ajudar as populações carentes. Um deles foi o entrevistado desta quarta-feira (29) do programa Giro Estadual de Notícias, o professor e educador físico Bruno Nóbrega, idealizador do projeto Escola Pública de Futebol que atende 2.000 crianças carentes em Campo Grande. Neste período de pandemia ele tem feito projetos de ajuda a famílias carentes, como varal solidário de máscaras, drive solidário, distribuição de materiais de higiene bucal.

"A gente tem projeto que trabalha mais na periferia coma  criançada. Uma vez fomos convidados para um torneio no Rádio Clube e muitas crianças não tinham chuteira. Comecei a pedir pra alguns treinadores, ai alguns colocaram e depois tiraram porque que eles nunca tinham usado", relembra Nóbrega.

Atualmente com a pandemia e o fim das aulas presenciais o educador físico resolveu investir em projetos solidários para ajudar as crianças dos bairros mais carentes da Capital. "Fizemos 8 projetos  entre eles está o drive solidário, onde arrecadamos mais de uma tonelada de alimentos; o varal de máscaras contando com ajuda das costureiras e inda fizemos junto com dentistas um de doação de  pastas escovas álcool em gel, favela do Canguru. Nossa meta é tentar ajudar as crianças evitar que elas fiquem doentes e precisem  se deslocar até os postos. A meta é diminuir o sofrimento das pessoas mais carentes na periferia", salientou.

O último projeto executado, foi o Cantinho do Saber, segundo informou Nóbrega. "Montamos um local onde as crianças podem pegar e levar para casa livros infantis. Para que eles tenham acesso a cultura já que nos bairros mais carentes a tecnologia é escassa. Por isso montamos um palllet com os liuvros a criança póde pegar levar e devolver ou até ficar com o livro depois", finalizou.

A entrevistsa completa você confere no áudio.

agecom - fullbanner
Cornavirus