21 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
sebrae revolution1
CUIDADOS COM SAÚDE

Obesidade requer atenção redobrada para saúde da gestante e do bebê

Em casos de tratamento para engravidar, ginecologista sempre recomenda a perda de peso e acompanhamento nutricional como aliada para a fertilidade

22 maio 2017 - 12h51Da Redação com assessoria
Obesidade requer atenção redobrada para saúde da gestante e do bebê
Obesidade requer atenção redobrada para saúde da gestante e do bebê - Reprodução
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

A gravidez é um momento que requer muitos cuidados, sobretudo quando a gestante está com sobrepeso ou obesa. Para o ginecologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Assumpto Iaconelli Jr, a obesidade não é um empecilho para a fertilidade, mas requer atenção em dobro. 

“Devemos entender o que levou a mulher ao ganho de peso; pode ser depressão, ansiedade ou mesmo ovário policístico. Por isso, é preciso um tratamento com diversas áreas médicas para uma futura gestação saudável”, recomenda. 

Em casos de tratamento para engravidar, o ginecologista sempre recomenda a perda de peso e acompanhamento nutricional como aliada para a fertilidade. Mesmo que não haja comprovações sobre a relação do sobrepeso e gravidez, “é importante prezar pela saúde da mãe e do bebê em primeiro lugar”. 

Entre os fatores de risco destacados por Iaconelli estão diabetes, hipertensão e pré-eclâmpsia, principalmente no final da gestação. ”Esses males são de duas a seis vezes mais comuns em mulheres com excesso de peso." 

O médico também ressalta os altos índices de mortalidade intrauterina e de recém-nascidos, principalmente no período perinatal – primeiros sete dias -, além do nascimento de crianças com má formação no tubo neural - estrutura que dá origem ao cérebro e medula. O peso dos bebês também tende a ser maior que o normal, o que pode provocar riscos obstétricos durante o parto. 

Embora, durante a gravidez não seja aconselhado fazer dietas de emagrecimento, é fundamental controlar a qualidade da alimentação e a ingestão de calorias, para que o bebê tenha todos os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento, sem que a gestante aumente muito o peso. 

“Isso porque 40% dessas mulheres têm deficiência de ferro, 24% em ácido fólico e 4% em vitamina B, tão importantes para diminuir os riscos de problemas cardíacos e na coluna vertebral nos recém-nascidos”, salienta. 

Outra preocupação do especialista é o ganho de peso durante a gestação, que, segundo pesquisa feita em 2009 pelo Instituto de Medicina dos Estados Unidos, deve ser de pelo menos cinco quilos e de no máximo nove quilos.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS