05 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
SAÚDE

Entenda as fases de testes contra o Zika vírus

Previsão é de que doses estejam prontas para testes clínicos em humanos até fevereiro do ano que vem

31 maio 2016 - 15h40Da redação com informações Portal Brasil
Público-alvo da vacina contra o zika vírus será mulheres em idade fértil
Público-alvo da vacina contra o zika vírus será mulheres em idade fértil - Divulgação
Cassems

Em novembro deste ano, a vacina contra o vírus Zika deve começar a ser testada em animais. Essa fase antecede os testes feitos em seres humanos, a fronteira final para que a vacina possa ser usada na população para combater o vírus que está relacionado a casos de microcefalia em bebês. 

"Tenho certeza de que vai funcionar. Estou falando isso de forma concreta, em um tempo menor do que o previsto." A afirmação é do diretor do Instituto Evandro Chagas, Pedro Vasconcelos, que coordena a equipe paraense que trabalha para desenvolver a vacina contra o zika vírus. Segundo ele, as doses estarão prontas para os testes clínicos em humanos até fevereiro do ano que vem. 

Os pesquisadores brasileiros atuam em parceria com a universidade Medical Branch do Texas, nos Estados Unidos. De acordo com Vasconcelos, que também integra o Comitê de Emergência para o Zika e Microcefalia da OMS, as tarefas entre os dois laboratórios foram divididas desde o sequenciamento genético do vírus selvagem até o desenvolvimento da vacina, de modo a acelerar o processo. 

Enquanto os cientistas americanos são responsáveis por produzir clones geneticamente modificados do zika vírus, os brasileiros testam o material em macacos e hamsters. "Isso para ver se conseguimos reproduzir o que o vírus causa nesses animais, inclusive em animais grávidos", explica o diretor. Dependendo da resposta das cobaias a esses testes, a previsão é de que já haja uma fórmula de vacina pronta até novembro. 

Segundo o especialista, até agora, já foi possível mapear parte do genoma do vírus e, dessa forma, modificar frações específicas do código genético dele. Assim, os pesquisadores pretendem induzir mutações no vírus, pois o objetivo é inoculá-lo vivo, mas atenuado, no público-alvo.

"O desafio é produzir mutações em determinados genes do vírus que façam com que ele perca a capacidade de provocar a doença, mas sem que isso afete a indução da produção de anticorpos, que é o que protege contra a infecção, é isso que estamos fazendo", afirmou Vasconcelos. É exatamente esse equilíbrio que está sendo testado para se chegar ao resultado final da vacina. 

"Essa vacina não visa à eliminação total do vírus, mas sim proteger as mulheres em idade fértil de se infectarem durante a gestação para que, antes de estarem grávidas, a infecção não leve a lesões como a microcefalia nos fetos, por já terem a proteção vacinal". Contudo, o tratamento não é indicado para as mulheres grávidas por conta dos riscos de contaminação dos fetos. Para esse grupo, o pesquisador ressalta que um outro tipo de vacina terá de ser fabricado. 

Vasconcelos ressalta que, ao contrário na epidemia de outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypt, como a dengue, no caso do zika, o desenvolvimento de uma vacina é menos complexo. "Essa vacina tem uma vantagem porque é um vírus que sofre poucas mutações. Ou seja, além de ser estável, e de um único tipo, diferente da dengue que tem quatro cepas". O pesquisador disse ainda que o objetivo dos estudos é que a proteção seja eficaz para pelo menos 90% das pacientes. "É o índice que interessa em saúde pública", completou.  

Cooperação internacional

A universidade norte-americana Medical Branch é um dos principais centros mundiais de pesquisas de arbovírus, especializado no desenvolvimento de vacinas – assim como o Instituto Evandro Chagas, referência mundial de excelência em pesquisas científicas. O estudo conta com um investimento de aproximadamente R$ 10 milhões do Ministério da Saúde.

Casos de microcefalia

O aumento considerável dos casos de zika no País deram um salto em 2015, quando subiu também a quantidade de notificações de microcefalia relacionadas à infecção pelo vírus.  

Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (24), 1.434 casos de microcefalia foram confirmados entre outubro do ano passado e maio de 2016. Desses casos, 208 tiveram confirmação por critério laboratorial específico para o zika vírus. O Ministério da Saúde, no entanto, ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.

(Da redação com informações Portal Brasil)

Banner Whatsapp Desktop

Deixe seu Comentário

Veja Também

Mais Lidas

Banner TCE