24 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
tce natal
AGORA É LEI

Sancionada lei que institui Dia D de Combate à Tuberculose em MS

29 maio 2017 - 08h37Da redação
Divulgação
Fort Atacadista Natal

Mato Grosso do Sul conta, desde a última sexta-feira (26/5), com a lei que institui o Dia D de Combate à Tuberculose no âmbito do Sistema Penitenciário, a ser celebrado anualmente no dia 25 de março e que passa a fazer parte do Calendário Oficial de Eventos do Estado. Segundo o presidente da Assembleia Legislativa (ALMS), Junior Mochi (PMDB), autor da proposta, trata-se de uma contribuição do Legislativo com as ações de combate à doença.

"É um problema grave e resolvemos criar esse dia para advertir os gestores e profissionais de saúde sobre a necessidade de intensificar as ações para detecção precoce dos casos, triagens anuais, oferta de teste molecular rápido e tratamento mais ativo da forma latente da doença, além de orientar a comunidade a respeito da importância da prevenção da doença e do tratamento adequado aos pacientes", afirmou o deputado, durante ato de sanção da lei, na Governadoria.

Segundo ele, a data foi escolhida em alusão ao Dia Internacional da Solidariedade da Pessoa Detenta ou Desaparecida (25 de março) e ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose (24 de março). Na justificativa do projeto que deu origem à lei, Mochi ressaltou que a doença atinge 70 mil pessoas no Brasil todos os anos, sendo que 4,5 mil perdem a vida em decorrência da doença. Na população privada de liberdade, a situação é ainda mais grave, como demonstram estudos do Grupo de Pesquisa Sobre Tuberculose, coordenado pelo professor Júlio Henrique Rosa Croda, da Universidade da Grande Dourados (UFGD).

Um deles identificou que a taxa de tuberculose latente em pessoas que nunca foram encarceradas e estavam no primeiro mês de aprisionamento era de 7.9% para homens e 8.3% para mulheres, o que demonstrou que a prevalência da doença é relativamente baixa na comunidade de uma forma em geral. Entretando, após um ano de encarceramento, foi constatado que 26% dos que não tinham a tuberculose latente e foram privados da liberdade adquiriram a doença dentro das prisões nas cinco maiores cidades de Mato Grosso do Sul. No estudo, também foi identificado que a transmissão da doença está diretamente ligada à superlotação dos estabelecimentos penais. Dados do Ministério da Justiça demonstram que o Estado é o quinto do país em taxa de ocupação dos presídios. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) informou hoje que a população carcerária totaliza 15,8 mil pessoas, o que representa mais que o dobro da capacidade do Estado, que dispõe de 7,6 mil vagas. Segundo ele, até 2018 serão ofertadas mais 3.840 novas vagas.

Além dos presídios

O Grupo de Pesquisa Sobre Tuberculose identificou ainda que 76% das bactérias encontradas na zona urbana de Dourados, que causam a doença, estavam na Penitenciária Estadual de Dourados. Para o professor Croda, que também é pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz e idealizador do Projeto Estratégias para Controle da Tuberculose nas Prisões, ficou claramente demonstrado que é preciso intensificar o controle a fim de diminuir o número de casos da doença na prisão, para que seja possível reduzir efetivamente a carga da doença na comunidade. "Agindo de forma pontual no combate à doença, poderemos reduzir drasticamente a incidência e cumprir a meta da Organização Mundial da Saúde [OMS], que estabelece 10 casos da doença para cada grupo de 100 mil habitantes", analisou.

O pesquisador Júlio Croda informou que o projeto consiste na realização de exames para diagnóstico da doença, primeiramente aos cinco mil detentos do Estabelecimento Penal de Segurança Máxima - Jair Ferreira de Carvalho, em Campo Grande, e do presídio em Dourados. "É um projeto inovador, que permitirá, por exemplo, identificar a doença após duas horas da realização do exame, enquanto que hoje temos que esperar até 30 dias e iniciar rapidamente o tratamento", disse. Foi assinado hoje Termo Aditivo de Cooperação disponibilizando quatro mil laudos para radiografias. Os procedimentos devem começar até agosto e serão realizados em uma unidade móvel, que ficará dentro das unidades prisionais.

A ação reúne parceiros nacionais e internacionais, como o National Institute of Health e a Universidade de Stanford. "Todo o projeto reúne investimentos de R$ 2 milhões e a atuação conjunta de diversos órgãos e instituições", ressaltou Croda. O secretário estadual de Saúde, Nelson Tavares, enfatizou a importância do apoio da Casa de Leis às ações. "Trata-se de um projeto inovador e a parceria com os deputados estaduais é importantíssima para que possamos dar continuidade e solidez ao projeto", disse. Além de Mochi, participaram da solenidade os deputados Professor Rinaldo (PSDB) e Maurício Picarelli (PSDB).

A doença

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões. Anualmente, são notificados cerca de 10 milhões de novos casos em todo o mundo e, do total, um milhão de pessoas morrem em decorrência de complicações ocasionadas pela doença. Para os especialistas, o surgimento do HIV/Aids e de focos de tuberculose resistente aos medicamentos agravam ainda mais esse cenário. O tratamento dura, em média, seis meses, à base de antibióticos.

Banner Whatsapp Desktop
Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você pretende comprar na Black Friday?

Votar
Resultados
Comper sem sair de casa
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia