24 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
POLÍTICA

Relator lê parecer sobre convalidação após acordo, mas votação fica para terça

24 maio 2017 - 16h02

O deputado Alexandre Baldy (Podemos-GO) leu na tarde desta quarta-feira, 24, no plenário da Câmara, seu parecer sobre o projeto que regulariza benefícios fiscais concedidos por Estados a empresas sem autorização do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), a chamada "guerra fiscal". A leitura foi possível após acordo entre governo e oposição para que a discussão e votação da proposta só comecem na próxima terça-feira, 30, para que os Estados como Ceará e Bahia possam analisar melhor o texto.

O parecer de Baldy prevê que as isenções concedidas por Estados para indústria, agropecuária, infraestrutura e transporte urbano deverão ser reduzidas gradualmente ao longo de 15 anos. No caso da indústria e agropecuária, Estados terão de reduzir os incentivos para esses setores em um ponto porcentual nos dez primeiros anos e 15 pontos porcentuais a partir do 11º ano. Os benefícios fiscais dos outros setores deverão ser reduzidos em cinco pontos porcentuais nos dez primeiros anos e oito pontos porcentuais a partir do 11º ano.

O texto prevê que a redução gradual deve começar no ano seguinte ao que o Confaz ratificar a lei aprovada pelo Congresso Nacional. Se o projeto for aprovado e sancionado neste ano, a redução gradual deve começar a partir de 2018. O parecer de Baldy prevê punições para Estados que concederem novos incentivos fiscais sem aprovação do Confaz, como a proibição de transferências voluntárias, obtenção de garantia para operações de crédito e contratação de novas operações de financiamento.

O relatório do parlamentar goiano também acaba com a unanimidade necessária entre os membros do Confaz para autorizar a concessão de novos benefícios fiscais. O parecer prevê que o convênio para concessão das isenções terá de ser aprovado e ratificado com voto de, no mínimo, dois terços dos Estados e um terço as unidades federativas da região do País a qual pertence o Estado que pede autorização para concessão do benefício.

Governadores querem que a convalidação seja aprovada logo, porque o Supremo Tribunal Federal determinou que os benefícios concedidos sem aval do Confaz são inconstitucionais e ameaça determinar a suspensão imediata das isenções. A chamada guerra fiscal é justificada pelos Estados como uma maneira eficiente de atrair investimentos e tecnologia, gerar empregos e aquecer a economia. Em troca, Estados abrem mão de parcelas do ICMS, principal fonte de recursos de todos os governos estaduais.

Banner Whatsapp Desktop
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
TJ MS
pmcg ms