28 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
Política

PT e PMDB admitem palanques diferentes em cinco Estados

26 novembro 2009 - 13h17
Zeca e André: palanques diferentes para Dilma em MS
Zeca e André: palanques diferentes para Dilma em MS
Fort  Atacadista - 21 ANOS

  Reunidos ontem, em Brasília, líderes dos dois partidos admitiram a possibilidade de liberar uma composição diferente de alianças em pelo menos cinco Estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Bahia, Mato Grosso do Sul e Pernambuco.

  Em Mato Grosso do Sul, no último final de semana, o PT reafirmou a intenção de lançar o ex-governador Zeca do PT para a disputa contra o atual governador do Estado, André Puccinelli (PMDB).

  Após o encontro, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que para esses Estados serão criadas uma aliança "heterodoxa". Jucá, no entanto, reconheceu que os problemas nos Estados podem trazer dificuldades na composição PT e PMDB para 2010.

  "Demos mais um passo no entendimento. Existem Estados que efetivamente vai ser mais difícil, uma solução heterodoxa, diferente da maioria dos Estados que nós vamos fazer", afirmou.

  Para Jucá, se não houver entendimento para uma chapa de petistas e peemedebistas nos Estados, qualquer aliança diferente terá que passar pelo crivo do comando dos partidos.

  "O presidente disse que os Estados serão ouvidos. E é natural esse processo que tem que sair de baixo para cima. É claro que os procedimentos, os entendimentos na base serão feitos e o que não for resolvido na base, virá para a segunda instância. Esse é um processo que vai afunilar na direção nacional, se não houver entendimento", disse.

  Segundo a presidente em exercício do PMDB, deputada Iris Araújo (GO), ainda há divergências nos diretórios de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pará, mas podem ser resolvidas.

  "A gente está acompanhando passo a passo, por isso estamos programando essas reuniões. Muitas vezes saem declarações nos Estados que não temos como checar, então, é importante conferirmos olho no olho o que realmente é um problema. Hoje, temos questões em Minas, Rio e Pará e justamente estamos estabelecendo essa conversação", disse.

  Jucá disse ainda que os dois partidos devem fechar os problemas regionais para chegar fortalecidos nas conversões partidárias para, na sequência, conversar sobre o nome do candidato a vice-presidente. O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), é o mais cotado.

  "A chapa esta mantida com PT e para termos vitoria majoritária expressiva nas convenções estamos construindo o entendimento. Respeitando a base, mas a tendência majoritariamente pela indicação do vice-presidente. [...] A tendência majoritária é no nome de Michel Temer, mas não está se discutindo o nome exatamente porque antes do casamento, da festa, não vamos antecipar nada", afirmou.

  Além de Jucá e de Iris, participaram da conversa o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), o ministro Hélio Costa (Comunicações), o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), o deputado Eduardo Cunha (RJ), e os deputados José Eduardo Cardozo (PT-SP), Ricardo Berzoini (PT-SP), e a líder do governo no Congresso, Ideli Salvatti (PT-SC).

Banner Whatsapp Desktop
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
MS Digital