27 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
POLÍTICA

PSDB vai privilegiar executivos e Senado

1 agosto 2018 - 06h25

Em uma estratégia para tentar ampliar as bancadas no Congresso, o PSDB decidiu lançar 16 candidatos ao Senado e outros 15 a governador, apesar dos poucos recursos que serão destinados às campanhas. Na primeira eleição nacional sem doação de empresas e com recursos predominantemente públicos, os 31 postulantes a cargos majoritários - excluído o presidenciável da legenda - terão de dividir R$ 43 milhões, valor informado pelo PSDB ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo o deputado Silvio Torres (SP), tesoureiro nacional do PSDB, o partido deve ter outras fontes de arrecadação, como doações de pessoas físicas e recursos do Fundo Partidário, mas a injeção de mais dinheiro nas campanhas vai depender do desempenho dos postulantes. "Vamos avaliar novos aportes de doações pelo desempenho de cada candidato", disse. A meta da legenda é eleger 60 deputados federais e pelo menos dez governadores. Em 2014, foram 54 federais e cinco governadores tucanos eleitos.

A avaliação da legenda é de que, mesmo com poucos recursos, as candidaturas majoritárias "puxam" as bancadas estaduais e garantem tempo na TV. A regra estabelecida pelo PSDB para tentar evitar uma "guerra" por recursos limita o repasse nos Estados a 30% do teto de gastos de campanha definido pela Justiça Eleitoral. Em São Paulo, por exemplo, os dois candidatos a senador - os deputados federais Mara Gabrilli e Ricardo Tripoli - terão de dividir R$ 5 milhões em suas campanhas. Na eleição de 2014, por exemplo, só a campanha do senador tucano José Serra custou R$ 10,7 milhões.

Prioridade

No entanto, o discurso de que as candidaturas majoritárias ajudam a eleger deputados federais e estaduais não acalmou os ânimos dos candidatos a uma cadeira na Câmara Federal ou na Assembleia Legislativa. Com os poucos recursos que restaram no Fundo Eleitoral, a prioridade na distribuição do dinheiro será para reeleger os 49 deputados federais - cada um terá R$ 1,2 milhão.

Pelo menos em São Paulo, os candidatos a deputado federal que não têm mandato e todos os 55 postulantes a deputado estadual, com mandato ou não, devem ficar sem nenhum centavo. "O potencial dos candidatos ao governo e ao Senado deve ser levado em consideração. Ter mandato é um elemento importante, mas não pode ser o único critério. Não acreditamos que o PSDB possa nos deixar sem qualquer tipo de recursos na eleição. Ainda vamos insistir para que a divisão seja mais justa", disse o deputado estadual Marco Vinholi.

Nesta quarta-feira, dia 1º, o ex-governador Geraldo Alckmin se reúne em Brasília com líderes do Centrão para discutir o nome de seu vice. Nesta terça, 31, o tucano voltou a dizer que seu companheiro de chapa não deve ser do PSDB. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
pmcg ms
TJ MS