23 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
tce natal
POLÍTICA

Nova fase da Calvário mira lavagem de dinheiro desviado da Saúde e Educação na PB

A ofensiva busca angariar provas sobre crimes identificados nas fases anteriores da investigação

27 outubro 2020 - 10h16
Os mandados foram expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Francisco Falcão
Os mandados foram expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Francisco Falcão - (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Fort Atacadista Natal

A Polícia Federal (PF), a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Controladoria-Geral da União (CGU) deflagraram na manhã desta terça-feira, 27, a nona etapa da Operação Calvário, que investiga desvios da Saúde e da Educação da Paraíba. A ofensiva busca angariar provas sobre crimes identificados nas fases anteriores da investigação, principalmente o de lavagem de dinheiro.

Segundo a PGR, tais delitos teriam sido praticados pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Arthur Paredes Cunha Lima e por operadores de uma das organizações sociais investigadas, que recebiam propina de fornecedores. Cerca de 80 agentes cumprem dez mandados de busca e apreensão nas cidades de João Pessoa, Bayeux, Cabedelo (PB), Aracaju (SE) e no Distrito Federal.

Os mandados foram expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça Francisco Falcão, uma vez que a investigação mira em supostos delitos praticados pelo atual governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania) e por três conselheiros do Tribunal de Contas do Estado.

Na etapas anteriores da Calvário, os investigadores haviam apontado ainda que o ex-governador e candidato à prefeitura de João Pessoa Ricardo Coutinho seria o líder da organização criminosa sob suspeita.

O Ministério Público Federal informou ainda que, a pedido da subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, o ministro Francisco Falcão também determinou a imposição de medidas cautelares a um advogado investigado pelo esquema, como a proibição de frequentar as dependências do TCE-PB e a suspensão do exercício da atividade advocatícia perante o órgão e em contratos com entes públicos.

Além disso, o ministro decretou o bloqueio de bens dos investigados em um total de cerca de R$ 23,4 milhões, para reparação por danos morais e materiais.

Segundo a Procuradoria, o esquema investigado teria começado em 2011 e envolveria a contratação de organizações sociais para gerir recursos públicos. De acordo com as apurações, as OSs direcionavam os gastos de hospitais para determinados fornecedores, que, posteriormente, repassavam parte do valor a agentes públicos.

A PGR apontou que as investigações contam com mensagens de celular, gravações ambientais e informações obtidas por meio de um acordo de colaboração premiada firmado com um empresário que era gestor de duas entidades envolvidas nos ilícitos.

Banner Whatsapp Desktop
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia