27 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
aguas novembo
França

Muçulmanos têm 'direito de matar milhões de franceses', diz ex-premiê da Malásia

A afirmação foi feita em uma série de tuítes publicados pelo ex-premiê

29 outubro 2020 - 10h24
Mahathir Mohamad, o ex-primeiro-ministro da Malásia
Mahathir Mohamad, o ex-primeiro-ministro da Malásia - (Foto: REUTERS/Lim Huey Teng)
Fort Atacadista Natal

Primeiro-ministro da Malásia por mais de 20 anos, Mahathir Mohamad, defendeu que os muçulmanos têm o direito de matar milhões de franceses por causa de "massacres do passado". A afirmação foi feita em uma série de tuítes publicados pelo ex-premiê poucas horas após o atentado a faca que deixou três pessoas mortas em Nice, na Riviera Francesa. "Independente de religião, pessoas com raiva matam. Os franceses, ao longo de sua história, mataram milhões de pessoas. Muitos eram muçulmanos. Os muçulmanos têm o direito de ficar com raiva e matar milhões de franceses pelos massacres do passado", escreveu Mohamad em um trecho das publicações.

A forte declaração do ex-premiê malaio ocorre em meio a uma escalada cada vez maior das tensões entre a França e o mundo islâmico. Uma série de atentados com armas brancas foi registrada no país desde setembro - deixando quatro mortos e dois feridos - depois que o jornal satírico Charlie Hebdo republicou charges do profeta Maomé, que tinham circulado em 2015 e motivado o atentado à redação da publicação.

A republicação foi endossada pelo presidente do país, Emmanuel Macron - um dos alvos das publicações do premiê malaio -, que defendeu a "liberdade para blasfemar". A postura do presidente acabou por reacender o debate sobre liberdade de expressão e intolerância religiosa, provocando uma reação de líderes mundiais islâmicos, que iniciaram, nesta semana, um boicote a produtos franceses.

Apesar de afirmar que os muçulmanos teriam direito de matar franceses, Mohamad disse que essa não é a escolha feita pelos muçulmanos. "Em geral, os muçulmanos não aplicam a lei do 'olho por olho'. Os muçulmanos não. Os franceses não deveriam. Em vez disso, os franceses deveriam ensinar seu povo a respeitar os sentimentos dos outros", disse ex-premiê, que também declarou apoio ao boicote.

"Desde que vocês culparam todos os muçulmanos e sua religião pelo que uma pessoa raivosa fez, os muçulmanos têm o direito de punir os franceses. O boicote não compensa os erros cometidos pelos franceses por todos esses anos."

Na série de publicações, o ex-chefe do Executivo da Malásia também aproveitou para fazer críticas ao presidente francês, Emmanuel Macron, e ao Ocidente. Muhamad iniciou seu pronunciamento, contudo, mencionando o caso de Samuel Paty, o professor de história que foi degolado por um jovem checheno no último dia 16, após mostrar charges de Maomé em uma aula sobre liberdade de expressão.

"Um professor na França teve sua garganta cortada por um garoto checheno de 18 anos. O assassino estava furioso porque o professor tinha mostrado caricaturas do profeta Maomé. O professor tinha a intenção de ensinar sobre liberdade de expressão. O homicídio não é um ato que eu aprove enquanto muçulmano. Mas do mesmo modo que acredito na liberdade de expressão, eu não creio que isso inclua insultar outra pessoa. Você não pode ir até um homem e blasfemar contra ele simplesmente porque você acredita na liberdade de expressão", iniciou a declaração o ex-premiê.

Em seguida, Mohamad argumenta que a Malásia conseguiu evitar conflitos mais graves entre etnias e estabilizar o país porque o povo é consciente "da necessidade de ser sensíveis com a sensibilidade dos outros". E segue criticando valores ocidentais, citando, por exemplo, a igualdade entre homens e mulheres, que, segundo a publicação, deveria se restringir ao voto para ambos.

"O problema com as novas ideias é que os que chegam mais tarde tendem a adicionar novas interpretações. Isso não é o que os criadores pretendiam. Assim, liberdade para as mulheres, significava o direito de votar nas eleições. Hoje, queremos eliminar tudo o que é diferente entre homens e mulheres. Fisicamente somos diferentes. Isso limita nossa capacidade de sermos iguais. Temos que aceitar essas diferenças e as limitações que são colocadas sobre nós. Nossos sistemas de valores também fazem parte dos direitos humanos", afirmou.

Quanto a Macron, o ex-primeiro-ministro afirma que o presidente francês não está se mostrando uma pessoa civilizada e o chamou de "primitivo". "Macron não está mostrando que é civilizado. Ele é muito primitivo em culpar a religião do Islã e dos muçulmanos pelo assassinato do professor insultuoso. Não está de acordo com os ensinamentos do Islã.

A Malásia tem o islamismo como religião oficial. Estima-se que 61% dos mais de 32,5 milhões de habitantes do país são muçulmanos.

Banner Whatsapp Desktop
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia