28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
POLÍTICA

Ministro de Minas e Energia, que é do PSB, evita falar em entrega de cargo

18 maio 2017 - 12h02

O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho (PSB), não quis se manifestar sobre o pedido feito pelo o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, para que ele deixe o cargo ministerial imediatamente.

Apesar de sua filiação partidária, Bezerra Filho tem dito que sua indicação para o cargo não tem relação com o PSB. Aos 32 anos, ele assumiu o posto em maio do ano passado, quando Michel Temer assumiu a presidência. À época, foi alvo de críticas, porque não tinha conhecimento do setor.

A indicação dele, na realidade, está ligada ao apoio que seu pai, o senador Fernando Bezerra (PSB-PE), deu para Temer durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Fernando Bezerra, que foi ministro da Integração de Dilma e defensor do governo petista, deixou o ministério e passou a atuar como um dos principais articulares para a aprovação do processo de impedimento da ex-presidente no Congresso.

Alvo da Operação Lava Jato, o senador Fernando Bezerra é acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de ter recebido ao menos R$ 41,5 milhões em propina de dinheiro desviado da Petrobras em contratos com as construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa, por conta de obras atreladas à refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco.

No Congresso, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que Bezerra Filho, que é deputado licenciado por Pernambuco, não foi indicado pela sigla, mas o fato de ele ser filiado ao partido é suficiente para pedir sua saída.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms