28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
sebrae revolution2
CRISE

Governo do Rio encaminha projeto que fixa teto de gastos públicos para o estado

30 maio 2017 - 18h10
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

O governo do Rio de Janeiro encaminhou hoje (30) à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) o Projeto de Lei Complementar (PLC) 42/2017, que estabelece teto de gastos públicos do estado. O texto prevê que a taxa de crescimento anual das despesas primárias do Executivo, do Tribunal de Justiça, da Alerj, do Tribunal de Contas, do Ministério Público e da Defensoria Pública não pode ultrapassar a inflação medida dois anos antes pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O aumento de despesas também estará limitado ao crescimento anual de dois anos antes da Receita Corrente Líquida (RCL) - somatório das receitas menos a dedução dos repasses constitucionais e legais, como os recursos que devem ir para os municípios. O menor valor entre os dois será o considerado.

Como o limite já será válido para 2018, foi adiada para a próxima semana reunião da Comissão de Orçamento da Alerj que dará parecer às emendas do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2.628/17. A matéria dispõe sobre as diretrizes para elaboração da Lei do Orçamento Anual de 2018.

Outros projetos

O PLC 42/2017 é o terceiro projeto a ser encaminhado pelo governo do Rio à Alerj após a aprovação, pelo Congresso Nacional, do Regime de Recuperação Fiscal dos Estados (Lei Complementar 159/17), sancionado no dia 19 de maio pela Presidência da República.

Os outros dois são o Projeto de Lei 2.884/2017, que modifica as regras do Rioprevidência e os benefícios de pensão por morte do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro, e o Projeto de Lei 2.885/2017, que formaliza a entrada do Rio no plano de ajuda financeira aos estados. Ambos começaram a ser discutidos hoje em plenário, mas receberam emendas e saíram de pauta.

Ontem, o governo sancionou lei que prevê aumento da alíquota previdenciária dos servidores de 11% para 14%. A medida, porém, só poderá entrar em vigor quando os salários forem regularizados.

O Regime de Recuperação Fiscal diz que o estado que quiser aderir deve aprovar uma lei para ser contemplado. A estimativa do governo do Rio é que o alívio no caixa estadual seja de R$ 62 bilhões em três anos. Com a norma em vigor, fica suspensa por três anos a dívida do Rio com a União e o estado poderá recorrer a empréstimos que podem chegar a R$ 6,4 bilhões.

Condições

Há uma série de condições para aderir ao plano de ajuda financeira da União aos estados. Um desses requisitos diz que a dívida consolidada do ano anterior deve ser maior que a RCL. Segundo dados da Secretaria de Estado de Fazenda e Planejamento, a receita corrente líquida é de R$ 45 bilhões, cerca de R$ 1,5 bilhão a menos do que no ano passado. As despesas liquidadas com pessoal devem representar pelo menos 70% da RCL do ano anterior e o valor total das obrigações financeiras - gastos já contratados – deve ser maior que o caixa.

O estado também deve atender a uma série de exigências, como: privatização de empresas dos setores financeiro, de energia e saneamento, entre outros. Em fevereiro deste ano, a Alerj aprovou a autorização para vender as ações da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) como contrapartida à aprovação de empréstimo federal, de R$ 3,5 bilhões - Lei 7.529/17, sancionada no dia 7 de março. Outras exigências são: congelamento de reajustes de salários para servidores públicos, restrição à realização de concursos, redução de pelo menos 10% dos incentivos ou benefícios fiscais que decorram em renúncias de receitas, entre outras.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS