05 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
POLÍTICA

Dilma afirma a revista francesa que Lula será candidato em 2018

Dilma Rousseff criticou o governo interino e se defendeu do Impeachment

30 junho 2016 - 14h45Da redação com informações Estadão
A presidente afastada ainda citou a queda de três ministros do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), por suspeita de corrupção e frisou que o momento político no Brasil é grave
A presidente afastada ainda citou a queda de três ministros do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), por suspeita de corrupção e frisou que o momento político no Brasil "é grave" - Divulgação
Cassems

Em entrevista para a revista francesa L'Express, divulgada na última  quarta-feira (29), Dilma Rousseff afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será candidato à Presidência nas eleições de 2018. A informação é, inclusive, uma das chamadas da capa da publicação.

"É a razão principal do golpe de Estado: prevenir que o Lula se apresente à Presidência. Hoje em dia, apesar de todas as tentativas de destruir a sua imagem, Lula continua entre as pessoas mais amadas. Eu posso te dizer que ele vai se apresentar na próxima eleição", disse a petista.

Questionada sobre como ela vê e espera a possível aprovação do processo de impeachment pelo plenário do Senado, em votação prevista para a segunda quinzena do mês de agosto, Dilma se disse profundamente injustiçada quanto à forma como "foi tirada do poder". Na entrevista, ela também disse que não cometeu crime de responsabilidade, mas que apenas aprovou quatro decretos para créditos suplementares a fim de financiar, principalmente, hospitais. 

"Não sou o primeiro presidente a agir assim. O Fernando Henrique Cardoso aprovou 23 decretos similares. Na verdade, a acusação é apenas um pretexto."

No decorrer da entrevista, Dilma voltou a defender o PT, a falar que não sabia do esquema de corrupção na Petrobrás e a criticar os grampos divulgados pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato. "Não importa o país do mundo, divulgar o registro de uma conversa do chefe de Estado seria um crime."

A presidente afastada ainda citou a queda de três ministros do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), por suspeita de corrupção e frisou que o momento político no Brasil "é grave".

(Da redação com informações Estadão)

Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE