23 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
multicasas novo
POLÍTICA

'Campanha não ferveu e vive uma calmaria perigosa'

Paulo Vasconcellos faz suas contas na atual corrida, marcada por uma pandemia que limitou muito as ações: desta vez, diz ele, a campanha "não ferveu"

26 outubro 2020 - 06h09
O publicitário Paulo Vasconcelos diz que o processo eleitoral curto é um dos desafios das eleições 2020
O publicitário Paulo Vasconcelos diz que o processo eleitoral curto é um dos desafios das eleições 2020 - (Foto: Alex Silva/Estadão)
Fort Atacadista Natal

Contratado por Andrea Matarazzo (PSD) para comandar sua comunicação na disputa pela Prefeitura, o publicitário Paulo Vasconcellos faz suas contas na atual corrida, marcada por uma pandemia que limitou muito as ações: desta vez, diz ele, a campanha "não ferveu". Ele vê no cenário paulistano o crescimento do candidato Guilherme Boulos, do PSOL, com "sintomas de uma calmaria perigosa". E lembra a virada de Romeu Zema na disputa mineira de 2018.

Vasconcelos faz parte da geração de marqueteiros que fez campanhas milionárias até 2018 e é alvo de investigação da Lava Jato - mas permaneceu no mercado eleitoral nos tempos de "vacas magras" imposto pelo fim do financiamento empresarial.

Aos 60 anos, ele ostenta em seu currículo duas corridas presidenciais - uma por Aécio Neves (PSDB) em 2014 e outra por Henrique Meirelles (MDB) em 2018. Nos dois casos dinheiro não era problema: foram R$ 40 milhões para tentar eleger o tucano e R$ 26 milhões para o ex-ministro da Economia, que pagou tudo do próprio bolso e teve pouco mais de 1% dos votos válidos.

"Havia desperdício e uma sensação de que tudo tinha que ser grandioso", contou Vasconcelos ao Estadão. "Houve um grande reaprendizado. Eu vivi os dois momentos. Fiz campanhas com contratos fartos, como as de Meirelles e Aécio, e outras simples e baratas, como a de Marília Campos pelo PT em Contagem".

Estacionado, hoje, com 1% das intenções de voto na disputa paulistana, Andrea Matarazzo fechou com ele um contrato de R$ 1,7 milhão. "Até 2014 e mesmo em 2016 tinha muita máscara publicitária, com vinhetinha para cá e para lá. Fiz com o (Alexandre) Kalil (PSD) em 2016 uma campanha espartana, sem muita alegoria. Mas ela custou na época três vezes mais do que a do Andrea."

Segundo ele, todos os candidatos hoje com grande tempo de TV vão apresentar na prestação de contas valores acima dos R$ 6 ou R$ 7 milhões. "É impossível fazer 3 ou 4 minutos de TV com o orçamento disponível. Temos menos tempo de TV na campanha do Andrea, mas mesmo assim o recurso é exíguo. Temos feito mais gravações em estúdio e não fizemos jingle. É uma campanha de relação mais direta com eleitor, o que barateia bastante".

Trauma

O marqueteiro mineiro ficou conhecido no mercado publicitário por ter comandado todas as campanhas majoritárias de Aécio, que se elegeu governador de Minas pela primeira vez em 2002. Em 2017, ele era senador quando foi gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, acertando um pagamento de R$ 2 milhões para seus advogados.

Apesar da trajetória profissional ligada a Aécio, Vasconcellos não chegou a construir relação de grande amizade com o hoje deputado federal, que ele ajudou a eleger duas vezes governador e a senador.

"Vi com muita, muita tristeza, esse processo todo que aconteceu com ele. O que mais machucou foi a gravação. Denúncias aconteceram em profusão com vários políticos, mas a gravação trincou o ídolo", disse Vasconcellos.

Em dezembro de 2018, o marqueteiro foi surpreendido quando dois endereços seus foram alvos da operação Ross, da Polícia Federal, que realizou busca e apreensão de documentos em sua residência e sua empresa, em Brumadinho e Belo Horizonte, respectivamente. O publicitário é investigado por repasses de R$ 1,8 milhão e de R$ 5,47 milhões que teriam sido feitos pela Odebrecht, a pedido de Aécio, para a campanha do hoje senador Antonio Anastasia (PSDB) ao governo de Minas em 2010. Os processos estão na Justiça Eleitoral. "Não tem nenhuma acusação contra mim de mala de dinheiro e nenhuma movimentação bancária suspeita. Fui devassado pela Receita Federal. O que há são delações que me acusam de ter feito contrato fictício sem ter prestado serviço. O delator fica no lado mais confortável. O cara rouba a vida inteira. Aí paga uma grana e vai para a casa. É assustador sofrer busca e apreensão dez anos depois de o fato ocorrido. Isso interfere na família, na saúde mental, no equilíbrio." Vasconcellos conta que em 2018 seu filho perdeu o emprego no mercado financeiro em função do episódio. "Hoje está tudo bem, mas essa é uma dor que não tem conserto. Mas no campo profissional não me afetou."

Sobre o processo eleitoral de 2020, em plena pandemia, o marqueteiro avalia que a campanha "não ferveu". Faltando pouco mais de duas semanas para o primeiro turno, ele tenta manter o otimismo ante o desafio de alavancar Matarazzo num processo eleitoral mais curto, sem debates com adversários.

Ele cita o caso de Romeu Zema (Novo), que em 2018 surpreendeu na reta final. "É possível acontecer isso aqui? Talvez sim. O crescimento do Boulos e a estagnação de Bruno e Russomanno podem ser o sintoma de uma calmaria perigosa".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia