29 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
GERAL

Bolsonaro escolhe pastor para o MEC, por 'apreço à família e aos valores'

11 julho 2020 - 07h30
O pastor presbiteriano Milton Ribeiro foi o nome escolhido por Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação
O pastor presbiteriano Milton Ribeiro foi o nome escolhido por Bolsonaro para assumir o Ministério da Educação - (Foto: Reprodução/Youtube)

Depois de disputas entre as diversas alas que compõem o governo, que duraram mais de 20 dias, o presidente Jair Bolsonaro escolheu o pastor presbiteriano Milton Ribeiro para chefiar o Ministério da Educação (MEC) nesta sexta-feira, 10. É o quarto ministro da atual gestão. Apesar de religioso, ele não foi indicado pela bancada evangélica do Congresso e não era o preferido dos militares. Ribeiro é advogado, teólogo e um estudioso da religião, especialista em calvinismo e Antigo Testamento.

A articulação de seu nome, que surgiu na semana passada, foi atribuída ao ministro-chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, e ao ministro da Justiça, André Mendonça, também presbiteriano. Entre as características que fizeram com que Ribeiro fosse escolhido, está o "apreço à família e aos valores", dizem conhecidos e integrantes do governo. Ribeiro foi vice-reitor do Mackenzie, quando o reitor era o ex-governador Claudio Lembo, mas é desconhecido entre especialistas da educação.

Em mensagem a amigos, após ser anunciado, ele disse que acreditava ser a "hora de darmos atenção especial à educação básica, fundamental e ao ensino profissionalizante" e de "incrementar o ensino superior e a pesquisa científica". Ele ainda disse que trabalharia em articulação com os Estados, municípios e seus gestores "para mudar a história da educação do nosso País". Falou em tom de conciliação, dizendo que é hora de "um verdadeiro pacto nacional pela qualidade da educação em todos os níveis". "Precisamos de todos: da classe política, academia, estudantes, suas famílias e da sociedade em geral. Esse ideal deve nos unir."

Atualmente, Ribeiro é reverendo da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração, em Santos. É ainda membro da Comissão de Ética Pública da Presidência, nomeado por Bolsonaro. O grupo é responsável por apurar a conduta de integrantes da administração pública federal e de analisar possíveis conflitos de interesse no serviço público. Ao anunciá-lo, o presidente frisou seu doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo, feito em 2006. A USP já confirmou a autenticidade do título acadêmico. O trabalho dissertou sobre a educação escolar como "pressuposto da organização institucional calvinista e não apenas seu resultado". Suas pesquisas foram em decisões oficiais da Igreja Presbiteriana do Brasil sobre educação. Quem o conhece diz que ele é um pesquisador da área religiosa e não um especialista em políticas educacionais, com as quais não trabalhou. É conservador, sem postura ideológica - um homem educado e discreto.

O Conselho Nacional de Secretários de Educação divulgou nota dizendo que nada comentaria sobre a indicação. Segundo o Estadão apurou, os secretários não têm o que dizer porque mal o conhecem. O Semesp, entidade que reúne universidades particulares, afirmou que "reconhecidamente o novo ministro acumula experiências exitosas em sua trajetória profissional e elas deverão contribuir para que a educação brasileira resolva as questões de acesso e oferta de oportunidades de aprendizado com qualidade".

Seu nome não teria agradado também à ala evangélica que apoia Bolsonaro. O grupo havia indicado o atual reitor do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA), Anderson Correa. "Não posso falar nada contra o novo ministro porque seria uma injustiça, eu não o conheço. Mas não venha dizer que ele é apoiado por evangélicos, que nós não temos nada com isso. É uma escolha do presidente com o ministro da Justiça", disse o pastor Silas Malafaia. Nas redes sociais, o deputado federal Marco Feliciano (Republicanos-SP) disse que não houve interferência da Frente Parlamentar Evangélica na opção pelo nome de Milton Ribeiro.

A especialista em educação Anna Helena Altenfelder disse não conhecer o novo ministro, mas observa que ele "vem de uma universidade comprometida com a produção do conhecimento e a produção científica". Ela aponta que um dos principais desafios será promover o diálogo com as entidades de educação. "(A questão ideológica) é uma preocupação que a gente sempre tem com esse governo".

Vídeo

Após o anúncio da nomeação, publicações nas redes sociais recuperaram vídeo do pastor, publicado há 4 anos pela Igreja Presbiteriana Jardim da Oração, em que ele fala sobre a "vara da disciplina" e a importância de disciplinar as crianças. "A correção é necessária para a cura", disse o pastor. "Não vai ser obtido por meios justos e métodos suaves. Talvez uma porcentagem muito pequena de criança, precoce e superdotada, é que vai entender o seu argumento. Deve haver rigor, severidade. E vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim: deve sentir dor."

Olavistas ganham vagas

O presidente Jair Bolsonaro acatou boa parte da lista de novos nomes para o Conselho Nacional de Educação (CNE) deixada por Abraham Weintraub, com pessoas ligadas a Olavo de Carvalho. A indicação é vista como uma forma de apaziguar o ânimo dos olavistas, após o grupo não emplacar o novo ministro da Educação.
O CNE tem mandatos de quatro anos e o impacto de suas medidas, segundo especialistas, pode ser ainda maior na educação. Com as novas 10 indicações, praticamente metade do conselho será mudada - há 24 cadeiras, mas dois membros vêm do MEC. A ideia inicial era de que os conselheiros sejam integrantes da sociedade civil, especialistas em educação, que avaliam e normatizam as políticas educacionais nacionais.

Entre os atuais membros estão Mozart Neves, ex-diretor do Instituto Ayrton Senna, e Maria Helena Guimarães de Castro, ex-secretária executiva do MEC no governo Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer. As indicações trouxeram um clima de desolação e revolta no órgão. "O CNE é um órgão de Estado e não de um governo", disse nota conjunta dos representantes dos secretários (Consed e Undime) que repudia "os critérios usados pelo governo para nova composição do CNE". A nova lista tem nomes indicados pelo atual secretário de Alfabetização do MEC, Carlos Nadalim, também ligado a Olavo de Carvalho. Entre eles, Tiago Tondinelli, que foi chefe de gabinete do ex-ministro de Bolsonaro Ricardo Vélez e tirado do cargo durante disputa no ministério entre olavistas e militares. Tondinelli é advogado e professor de Filosofia, especialista em Filosofia Medieval. Nunca trabalhou com educação pública. Wiliam Ferreira da Cunha, também indicado ao CNE, é atualmente assessor de Nadalim. Outro ligado aos olavistas é Gabriel Giannattasio, também professor no Paraná.

Outro nomeado nesta sexta-feira foi o pesquisador Augusto Buchweitz, que é formado em Letras e Psicologia, e estuda a forma como as crianças aprendem a ler e prioriza o aprendizado fônico e despreza o construtivismo - considerado bandeira da esquerda. Também indicado, Fernando César Capovilla, do Instituto de Psicologia da USP, é da mesma linha de pesquisa e ajudou na elaboração da política atual de alfabetização do MEC. "Fica claro que o governo quer fazer a agenda dele da educação pelo CNE, como homeschooling, escola militar", diz Mozart Neves.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms