02 de dezembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
SESI - Campanha Industria Geração de Empregos 1
advogado

Sargento está entre os presos por operação contra pedofilia em Campo Grande

Durante as buscas os policiais localizaram materiais contendo pornografia infanto-juvenil totalizando 202 gigas de material pornografico que será encaminhado a pericia

29 outubro 2020 - 12h00Geliel Oliveira
As equipes que atuam na operação estão em busca de acusados de crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet
As equipes que atuam na operação estão em busca de acusados de crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet - (Foto: Divulgação)
Fort Atacadista Natal

Por meio da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) a Policia Civil cumpriu na manhã desta quinta-feira (29) durante a terceira fase da Operação Deep Caught, quatro mandatos de prisão pelo crime de pedofilia na Capital. Dentre os detidos em flagrante está um sargento do exército.

As equipes que atuam na operação estão em busca de acusados de crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet. Segundo divulgado pela Depca foram encontrados ainda junto com o material, duas armas de fogo de uso permitido.

Ao todo foram cumpridos quatro mandados de prisão, dentre eles estavam um auxiliar contábil, um advogado com posse de uma arma de fogo, um empresário que tinha posse da segunda arma de fogo apreendida, além do militar.

Durante as buscas os policiais localizaram materiais contendo pornografia infanto-juvenil totalizando 202 gigas de material pornografico que será encaminhado a pericia.

As quatro prisões em flagrante estão sob o crime descrito no artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente (Adquirir, possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente).

A pena para quem armazena esse tipo de conteúdo varia de 1 a 4 anos de prisão, de 3 a 6 anos pelo compartilhamento e de 4 a 8 anos de prisão pela produção de conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual. Os presos foram levados para a Depca onde ficarão à disposição da Justiça.

Banner Whatsapp Desktop
Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

O que você pretende fazer com o 13º salário?

Votar
Resultados
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia
PREF DE MJU