20 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
CRIME

Polícia Federal deflagra operação que criava documentos falsos de indígenas paraguaios

Envolvidos criavam documentação nacional para indígenas da etnia Kaiowá do Paraguai passarem a residir no Brasil recebendo aposentadoria; prejuízo evitado ao INSS foi em torno de R$ 4 milhões

24 novembro 2015 - 11h48
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça­-feira (24), através da Delegacia da PF em Ponta Porã, em conjunto com a Assessoria de Pesquisa Estratégica do Ministério da Previdência Social e o Ministério Público Federal, a Operação Coiote Kaiowá nas cidades de Amambai e Aral Moreira/MS. A ação teve por objetivo desmantelar organização criminosa responsável no esquema de fraudes envolvendo a confecção de registros de nascimento ideologicamente falsos visando à concessão de aposentadorias rurais para indígenas. Além disso, a quadrilha potencializava os seus lucros mediante a contratação de empréstimos consignados fraudulentos. Durante a ação, foram cumpridos quatro mandados de prisão preventiva e três mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal, nas cidades de Amambai e na aldeia Guassuty, em Aral Moreira.

Entre os alvos da operação estão o casal proprietário de uma financeira especializada em créditos consignados, bem como um ex-­capitão da Aldeia Guassuty.

 A fraude consistia na falsificação de certidões de atividade rural da FUNAI e no registro civil fraudulento de indígenas provenientes do Paraguai e de indígenas inexistentes. A operação foi batizada “Coiote Kaiowá” em alusão aos “coyotes”, apelido dado aos atravessadores de pessoas na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Segundo as investigações, os envolvidos criavam documentação nacional para indígenas da etnia Kaiowá provenientes do Paraguai passarem a residir no Brasil recebendo aposentadoria.

Identificou­-se, também, que a organização criava indígenas fantasmas no intuito de se apropriar de suas aposentadorias.

Levantamentos preliminares detectaram que foram evitados prejuízos ao INSS em torno de R$ 4 milhões. No entanto, durante as buscas foram apreendidas enormes quantidades de documentos que indicam que o montante das fraudes pode ultrapassar em muito esse valor.

Banner Whatsapp Desktop
SANESUL DIA DA ARVORE

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
pmcg ms
TJ MS