29 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 campanha Águas em Ação 3 - NOV da Águas Guariroba
amazônia

Salles: maior desrespeito a questões ambientais ocorre onde não há prosperidade

Na avaliação do ministro, em entrevista à Rádio CNN, é "muito bom" que o setor privado tenha se mobilizado

21 outubro 2020 - 09h44
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente - (Foto: Adriano Machado/Reuters)
Fort Atacadista Natal

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que "o maior índice de desrespeito a questões ambientais ocorre em locais onde não há prosperidade". Na avaliação do ministro, em entrevista à Rádio CNN, é "muito bom" que o setor privado tenha se mobilizado para cobrar do Ministério do Meio Ambiente ações de combate ao desmatamento na região amazônica e no Pantanal.

"O pessoal destaca que o setor privado agora assinou uma carta e então se mobilizou etc. Eu acho isso muito bom porque finalmente o setor privado, de bancos a indústrias, de empresas de comércio a empresas de tecnologia, se voltam e colocam recursos privados para gerar emprego e renda. Isso é muito positivo", disse.

De acordo com Salles, é necessário que haja investimentos privados no desenvolvimento econômico sustentável, com atividades que sejam fontes de emprego e renda para as pessoas e que respeitem o meio ambiente.

Tanto Salles quanto o vice-presidente da República e coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, foram cobrados em comunicados de entidades nacionais e internacionais por ações mais enérgicas contra o desmatamento.

Fiscalização

Para o ministro, enquanto a responsabilidade de fiscalizar as unidades de conservação, assentamentos e terras indígenas é de órgãos federais, são os Estados que devem fazer a fiscalização e o combate aos incêndios que atingem fazendas e outras propriedades privadas.

"O governo federal dá suporte aos Estados, fiscaliza em caráter primário as áreas federais, mas não as propriedades privadas. Essas, são os Estados que fiscalizam", disse o ministro. Salles ressaltou, entretanto, que não é fácil fazer a identificação da causa ou origem dos incêndios.

Segundo Salles, as temperaturas atípicas, secura e ventos fortes na região do Pantanal colaboraram para o recorde de queimadas que atingiram a região. "Para se ter uma ideia, no Pantanal as temperaturas neste ano são as maiores nos últimos 70 anos", afirmou o ministro.

No início do mês, o Pantanal apresentou a sétima alta mensal consecutiva e bateu o recorde do registro histórico para setembro, com 8.106 focos de calor, alta de 180% em relação ao mesmo mês do ano anterior, que teve 2.887 focos. Em nove meses, o bioma também bateu o recorde anual.

Retardantes

Salles disse também ser "totalmente infundada" a crítica ao uso de retardantes químicos para conter as incêndios florestais. O Ibama e o Ministério do Meio Ambiente suspenderam na última semana a compra de 20 mil litros de retardante de fogo, em regime de urgência e sem licitação, para lançar sobre áreas de queimadas do Pantanal, em Mato Grosso. Laudo técnico do próprio Ibama, de 2018, apontou que a aplicação desse produto exige cuidados, por possíveis riscos ao meio ambiente e à saúde humana.

"O retardante de fogo tem uma composição muito semelhante a um fertilizante", afirmou o ministro. Segundo Salles, o próprio Ibama avançou na análise de retardantes e disse não haver mais as mesmas restrições aos produtos que seriam utilizados tal qual parecer de 2018.

Banner Whatsapp Desktop
Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

O que você pretende fazer com o 13º salário?

Votar
Resultados
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia