20 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
al outubro2
Saúde

Ronco e a síndrome da apnéia do sono

Thiago Lemes
Fort  Atacadista - 21 ANOS

O Ronco e a Síndrome da apnéia do sono têm sido muito discutidos no Brasil e no mundo. Estes problemas, além de transtornos sociais e psicológicos, podem trazer conseqüências físicas para o paciente. O ronco e a apnéia precisam ser considerados e encarados pela população como uma Doença, sendo assim, devem ser tratados da melhor maneira, garantindo qualidade de vida para os pacientes.

Uma nova possibilidade de trabalho vem se abrindo na Odontologia através do tratamento destes distúrbios que afetam entre 2 a 4% das mulheres adultas e 4 a 9% dos homens adultos.

Até agora objetos de atenção exclusiva dos médicos, estes problemas vêm recebendo uma nova abordagem através dos dispositivos intra-orais, cuja indicação e aplicação cabe aos dentistas. A seguir, a Dra Grazieli Rezende da Odontoart responde algumas perguntas sobre o assunto.


Quais são os principais sintomas dos distúrbios do sono?

Sonolência exagerada durante o dia; cansaço ao acordar e durante o dia; dor de cabeça ao acordar; dificuldade de concentração e memorização; irritabilidade e diminuição do humor; cochilos freqüentes; dificuldade de aprendizagem; roncos altos e freqüentes durante a noite; engasgos e sufocação durante o sono; gemidos e resmungos; elevação da pressão arterial; movimentos corporais freqüentes durante o sono; obesidade.

Porque precisamos nos preocupar com a apnéia?

Apesar do ronco ser o problema mais incômodo, a apnéia do sono é o problema mais preocupante, pois ela afeta vários órgãos do nosso corpo, principalmente o coração, aumentando as chances de desenvolver arritmias, hipertensão, infarto e derrame cerebral. Além disso, uma recente pesquisa da Leeds University (Grã-Bretanha) alerta: pessoas que roncam muito podem estar mais propensas a desenvolver o mal de Alzheimer.

Como o aparelho funciona?

O aparelho intra-oral funciona avançando a mandíbula e mantendo-a firmemente nesta posição. O avanço da mandíbula faz com que os tecidos da garganta se “estiquem” aumentando a abertura para a passagem do ar e estimulando a musculatura da faringe, tornado-a mais firme e evitando o ronco. O aparelho não traz nenhuma mudança física ao paciente, resolvendo o problema apenas quando estiver sendo utilizado, da mesma maneira que os óculos, que corrigem a visão, porém não alteram o olho.

O aparelho intra-oral é eficaz para o tratamento do ronco?

O aparelho intra-oral é uma alternativa simples e que tem alcançado grande sucesso, já que promove o equilíbrio esquelético e muscular, permitindo que o paciente tenha uma excelente qualidade do sono e conseqüentemente de vida. Estes aparelhos são aprovados cientificamente dado sua eficácia e conforto. Entretanto, é importante que o paciente procure um profissional especialista no assunto, garantindo melhores resultados.

Como devo proceder para fazer o aparelho?

Em primeiro lugar é preciso marcar uma consulta de avaliação, onde serão avaliadas as condições para a colocação do aparelho, e se é necessário a realização de exames complementares, como a polissonografia. Após esta consulta que iremos então dar início à confecção do aparelho. É importante que o paciente procure um profissional.

 

Dra Grazieli Rezende Carvalho (Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial, Membro da Associação Brasileira de Ortodontia, Membro da Sociedade Brasileira do Sono

Banner Whatsapp Desktop
Annelies
ALMS