18 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
maracaju covid
INVASÕES DE TERRAS

Professor indígena se esquiva de todas as perguntas sobre o CIMI

O CIMI sofre investigação por supostamente incitar e financiar invasões de terras particulares em Mato Grosso do Sul.

9 dezembro 2015 - 15h15DA REDAÇÃO
Além do professor indígena, também prestou depoimento nesta terça-feira a produtora rural Roseli Ruiz, proprietária da fazenda Barra, localizada em Antônio João
Além do professor indígena, também prestou depoimento nesta terça-feira a produtora rural Roseli Ruiz, proprietária da fazenda Barra, localizada em Antônio João - Divulgação

O professor indígena Alberto França Dias, da aldeia Buriti, prestou depoimento ontem (8) à CPI do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) e se esquivou de todas as perguntas relativas ao órgão, que sofre investigação por supostamente incitar e financiar invasões de terras particulares em Mato Grosso do Sul. 

Questionado pela presidente do colegiado sobre o papel desempenhado pelo Cimi nas aldeias, ele disse que não sabe responder. Entretanto, admitiu conhecer figuras que de forma recorrente têm o nome citado em processos de invasões, como Flávio Machado, Egon Heck, Rogério Batalha, Irmã Joana e Rui Sposati.

Ele também se esquivou de perguntas à participação do Cimi nas Assembleias do Povo Terena. 
Apesar do nome “Professor Alberto” constar de um livro ata encontrado na sede da fazenda Buriti, após a posse ser reintegrada ao produtor Ricardo Bacha, cujo título é “Reunião da Comissão de Retomada da Terra Pão”, o depoente disse desconhecer o documento. 

Outra ata, no mesmo livro, se reporta a uma reunião com o “advogado Dr. Rogério”, em referência a Rogério Batalha. Ele também negou envolvimento, apesar de admitir ter participado do processo de invasão da fazenda. 

O depoente foi questionado se havia outro “Professor Alberto” na aldeia e também negou. 
Para Mara Caseiro, ele foi muito invasivo durante a oitiva, o que gera dúvidas sobre a veracidade de suas declarações. 

“Apesar de só haver um professor Alberto na aldeia, ele diz não ter conhecimento de qualquer documento citado pela CPI”, afirmou. 

Além do professor indígena, também prestou depoimento nesta terça-feira a produtora rural Roseli Ruiz, proprietária da fazenda Barra, localizada em Antônio João.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Considerando a pandemia do novo coronavírus, você acha que o TSE deveria ter editado resolução e tornado o voto não obrigatório este ano?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms