22 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
INTERNACIONAL

Professor é decapitado na França; caso é investigado como terrorismo

Suposto agressor foi morto pela polícia após gritar 'Alá é grande', segundo a Procuradoria Nacional Antiterrorista; presidente da França visitará a cidade, a 50 km de Paris

16 outubro 2020 - 16h30
O Presidente da França, Emmanuel Macron, visitará a cidade na sexta-feira à noite
O Presidente da França, Emmanuel Macron, visitará a cidade na sexta-feira à noite - ( Foto: Estadão/Reprodução )
Fort  Atacadista - 21 ANOS

Um professor de História foi decapitado na tarde desta sexta-feira, 16, perto de Paris. Segundo a Procuradoria Nacional Antiterrorista, que investiga o caso, o suspeito foi morto a tiros. A vítima recebeu ameaças após mostrar caricaturas de Maomé para seus alunos do ensino médio em uma aula sobre liberdade de expressão.

O promotor antiterror francês abriu uma investigação por "assassinato em conexão com uma empreitada terrorista".

O brutal assassinato do professor ocorreu na cidade de Conflans-Sainte-Honorine e o suspeito foi morto pela polícia na vizinha Eragny. As cidades estão localizadas na região de Val d'Oise, a noroeste de Paris.

Um oficial da polícia disse que o suspeito, armado com uma faca e uma arma de airsoft - que dispara pellets de plástico - foi morto a tiros a cerca de 600 metros de onde o professor foi morto após ele não respondeu às ordens para abaixar os braços.

O professor havia recebido ameaças após abrir um debate sobre as caricaturas há cerca de 10 dias, disse o policial à Associated Press. O pai de um aluno apresentou queixa contra o professor, disse outro policial, acrescentando que o suposto assassino não tinha filhos na escola. A identidade do suspeito não foi divulgada.

O presidente Emmanuel Macron visitará Conflans-Sainte-Honorine nesta noite, segundo a presidência.

Charlie Hebdo

Foi o segundo incidente relacionado ao terrorismo desde a abertura de um julgamento em andamento sobre o massacre da redação em janeiro de 2015 no jornal satírico Charlie Hebdo, após a publicação de caricaturas do profeta do Islã.

No início do julgamento, o jornal republicou caricaturas do profeta para enfatizar o direito à liberdade de expressão. Há exatamente três semanas, um jovem paquistanês foi preso depois de esfaquear, em frente aos antigos escritórios do jornal, duas pessoas que sofreram ferimentos leves. O jovem de 18 anos disse à polícia que estava chateado com a publicação das caricaturas.

O incidente ocorreu enquanto o governo de Macron estava trabalhando em um projeto de lei para lidar com radicais islâmicos, que as autoridades afirmam estar criando uma sociedade paralela fora dos valores da República Francesa.

Banner Whatsapp Desktop
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
PMCG