30 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
ESCOLA DA AUTORIA

Federação dos Trabalhadores em Educação se posiciona contra gratificação para profissionais de tempo integral

Os administrativos em educação também estiveram em peso na Assembleia Legislativa, com o apoio da Federação, questionando o porquê deste Projeto de Lei ser apenas para os professores e coordenadores

16 maio 2017 - 16h30Da Redação
De acordo com o presidente a direção da FETEMS recebe esse projeto com estranheza, já que o Governo está propondo pagar uma gratificação de 15% a uma parcela de professores
De acordo com o presidente a direção da FETEMS recebe esse projeto com estranheza, já que o Governo está propondo pagar uma gratificação de 15% a uma parcela de professores - Divulgação

O presidente da FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Magno Botareli Cesar, usou a fala na manhã desta terça-feira (16), na Assembleia Legislativa, para deixar claro o posicionamento da entidade em relação ao Projeto de Lei (PL) 060/2017, de autoria do Governo do Estado, que concede Gratificação de Dedicação Plena e Integral de 15% aos professores docentes e coordenadores pedagógicos das escolas estaduais inseridas no Programa de Educação em Tempo Integral, denominado Escola da Autoria.

De acordo com o presidente, a direção da FETEMS recebe esse projeto com estranheza, já que o Governo está propondo pagar uma gratificação de 15% a uma parcela de professores, cerca de 200, e até o momento não cumpriu o pagamento do reajuste do Piso Salarial Nacional de Janeiro. “Solicitamos aos deputados que se atentem em relação aos 7,64%, garantidos pela legislação nacional n° 11.738, de 16 de julho de 2008 e pela lei complementar estadual nº 200, de 13 de julho de 2015, que o Governo não concedeu até o momento e também não incorporou, até os R$ 200 dos administrativos em educação, promessa feita à categoria. Se o poder público não está dando conta de cumprir o que está vigente, como que vai criar mais despesas?”, ressalta.

Segundo a vice-presidenta da FETEMS, Sueli Veiga, que também estava na Casa de Leis, a FETEMS não é contra a criação de uma gratificação, desde que a mesma seja criada na Lei Complementar 087/2000 (Estatuto dos Profissionais da Educação Básica de Mato Grosso do Sul) e que seja extensiva a todos os profissionais que se encontram em dedicação exclusiva, não apenas os que fazem parte do projeto "Escola de Autoria. “O Governo precisa respeitar o 1/3 de hora-atividade, conquista nossa. Precisa respeitar a carreira, a habilitação dos profissionais, valorizando o trabalhador e incorporando essa porcentagem a sua remuneração permanente, para que conte na aposentadoria também. Não podemos aceitar esses ‘penduricalhos’ que vão acabar com a nossa valorização e com o nosso Plano de Cargos e Carreira”, explica.

Um dos pontos mais polêmicos do projeto é que a gratificação de 15% tem como referência o vencimento-base do professor na carreira profissional de educação básica, classe A, nível I, 40 horas. Segundo, Roberto Botareli, a mesma tem que ser de acordo com a formação do trabalhador em educação.

Os administrativos em educação também estiveram em peso na Assembleia Legislativa, com o apoio da Federação, questionando o porquê deste Projeto de Lei ser apenas para os professores e coordenadores. “Os administrativos do projeto Escola de Autoria também estão trabalhando com um horário apertado e se dedicando ao máximo. Por que eles não são contemplados com esse benefício? Além disso, gostaríamos que o Governo cumprisse a sua obrigação legal, objeto de sentença judicial, para depois criar outras obrigações. Tem que ficar clara a origem dos recursos que serão utilizados para o pagamento desta gratificação, pois os investimentos do FUNDEB e do MEC não são para políticas de meritocracia”, ressalta o secretário dos funcionários administrativos da FETEMS, Wilds Ovando.

A votação do Projeto de Lei ficou para a manhã da próxima quinta-feira (18), na Assembleia Legislativa e a entidade promete uma grande mobilização contrária à política de meritocracia e a favor da valorização dos trabalhadores em educação. Nesta quarta-feira (17), às 19h, haverá uma reunião entre a FETEMS, a ACP e trabalhadores em educação deste projeto da Rede Estadual de Ensino, na sede da ACP, em Campo Grande.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS