26 de janeiro de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
senar
GERAL

Prefeitura pede aval para internação à força; promotor teme 'caçada humana'

25 maio 2017 - 07h05
MÊS DA ECONOMIA COMPER

A Prefeitura de São Paulo pediu autorização da Justiça para internar à força dependentes de drogas na capital. Se o aval for dado, o Município não precisará entrar com solicitações individuais, conforme prevê a legislação federal, o que motivou críticas de médicos, defensores e promotores - que falam até em "caçada humana".

"O (departamento) jurídico da Prefeitura foi acionado para que se buscasse mais uma alternativa para a solução desse grave problema, em especial para aquelas pessoas que estão vagando nas ruas sob efeito das drogas", diz o secretário municipal da Justiça, Anderson Pomini. A Prefeitura informou que não há estimativas do número de pessoas que possam ser internadas com a aplicação da medida. Mas adiantou que existem 276 leitos psiquiátricos disponíveis para dependentes e cerca de 3 mil vagas no Programa Recomeço, de gestão estadual.

O secretário municipal de Justiça explicou que há três formas de internação: a voluntária, em que o próprio usuário procura a administração pública e formula o pedido de internação; a voluntária acompanhada, com autorização de um familiar; e a compulsória, que depende de autorização judicial. "O nosso pedido não guarda relação com a autorização genérica de internação compulsória. Não se fala em quantidade nem se discrimina pessoas", afirma Pomini. "A ideia é que a Prefeitura fique autorizada a buscar essas pessoas, a interpelá-las, para que sejam entrevistadas pelos especialistas da saúde e, quando preenchidos os requisitos, o médico possa informar se pessoa deverá ou não sofrer internação compulsória", diz o secretário.

Na solicitação, a gestão João Doria (PSDB) relata à Justiça uma situação-limite na Cracolândia, que justificaria a intervenção dos governos. "Era como se a cidade de São Paulo condenasse seus habitantes à morte certa, com habitantes quimicamente vulneráveis devidamente circunscritos à Cracolândia. Ali seria seu epitáfio."

Contrário

O Tribunal de Justiça pedirá manifestação do Ministério Público, já que a solicitação foi feita pela Procuradoria-Geral do Município no âmbito de uma ação movida pelo próprio MPE contra o governo do Estado em 2012. Na época, o objetivo era obter liminar proibindo a Polícia Militar de agir com violência contra dependentes. O Ministério Público já adiantou ser contrário à iniciativa.

Para o promotor Arthur Pinto Filho, da área da Saúde Pública, a proposta da Prefeitura de internação compulsória em massa é uma "afronta à Lei Antimanicomial", de 2001, que prevê internação de pessoas com transtorno mental apenas quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes. "Reputo esse pedido como o mais esdrúxulo que vi em toda minha carreira como advogado e promotor de Justiça. É um pedido genérico, não individualizado, que sugere uma caçada humana a pessoas que vagam pelas ruas", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você conseguiu ficar em dia com todas as contas do início do ano?

Votar
Resultados
Comper sem sair de casa
TJ MS
Senar