29 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
Imposto

OUÇA: IPTU 2010 deve ter aumento de 8% em Campo Grande

11 dezembro 2009 - 15h19
Fort  Atacadista - 21 ANOS

  Em Campo Grande, o reajuste já foi definido pela Prefeitura, mas ainda precisa passar pela Câmara de Vereadores.

  O projeto prevê um aumento de 8% no IPTU em 2010. Segundo o secretário de Planejamento, Finanças e Controle, Paulo Nahas, foram usadas duas bases de cálculo para chegar a esse índice. “Primeiro o IPCI e segundo o Sinape, que é um órgão gerenciado pelo IBGE e a Caixa Econômica Federal. A composição desses dois números dá essa média entre 7,5% e 8%.”

  Ainda de acordo com o secretário, os contribuintes que estavam com alguma pendência na Prefeitura receberam um comunicado em casa neste mês. Porém, o documento não tem relação com o IPTU do ano que vem. Os carnês vão ser distribuídos a partir do dia 11 de janeiro. Quem estiver em dia com o imposto terá algumas vantagens na hora de pagar o tributo.

  “Um desconto de 20% no pagamento à vista ou 10% no pagamento parcelado”, garante o secretário.

  Aposentados, pensionistas e expedicionário que possuem um único imóvel estão isentos do imposto. Quem tiver um imóvel com valor abaixo de R$ 19 mil também está isento. A Prefeitura estima que possa arrecadar até R$ 132 milhões com o IPTU em 2010. Ao todo, são cerca de 310 mil imóveis em Campo Grande e mais de 80% estão com as contas em dia. Para o setor imobiliário, o reajuste está dentro da realidade da Capital.

  “O IPTU não teve aumento nenhum. O que está sendo reajustado é o aumento do imóvel. Eu acho que isso é justo e todo mundo sentiu no mercado. Isso é positivo porque todos são beneficiados, principalmente o proprietário do imóvel”, afirma o presidente do Sindicato de Habitação, Marcos Augusto Netto.

  Os valores do imposto também são muito influenciados pela região e pela valorização imobiliária. A maioria dos imóveis, em Campo Grande, está com o valor do imóvel atualizado. Por isso, o reajuste em outras capitais do país varia bastante, como em São Paulo (20%), Curitiba (4,5%) e no Rio de Janeiro o imposto não é atualizado há 12 anos.

  Os valores variam bastante em Mato Grosso do Sul. Um exemplo é Dourados onde o reajuste médio do imposto será de 33%. A proposta ainda precisa passar pela Câmara de Vereadores. Já em Três Lagoas, o projeto também já foi enviado para o legislativo e o reajuste prevê descontos de até 40%. Em Corumbá o índice ainda não foi definido porque o imposto na cidade é lançado somente em março. Escute a notícia da Rádio Transamérica Hits FM 99,1 Mhz.

 OUÇA:

Banner Whatsapp Desktop
ALMS
TCE - Devolução Auxílio Emergencial