24 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
Comércio

Natal deve movimentar R$ 90 milhões no comércio de Campo Grande, aponta pesquisa

1 dezembro 2009 - 18h01
Fort  Atacadista - 21 ANOS

  “Neste Natal 66% dos campo-grandenses irão às compras, contra 51% de 2008. Também relevante é a observação da indecisão de compra de 12% dos compradores neste ano, sendo a menor taxa dos últimos três anos. Isto é um reflexo do otimismo do trabalhador que percebe uma maior estabilidade da economia brasileira, da sua garantia de emprego e com isto vai presentear seus parentes e amigos. Adiciona-se o espírito natalino e as vendas culminarão nos bons negócios do comércio lojista”, destaca o coordenador do trabalho e pesquisador do Nepes, José Francisco dos Reis Neto.
 
 Neste Natal, a família aparece como a principal ganhadora de presentes. As mães (24%), os filhos (19%), os esposos (18%), os pais (17%) e os namorados (9%) são as pessoas que mais irão receber presentes e esses dados são semelhantes aos levantados no ano passado. Os compradores de presentes indicam que irão presentear, em média, três pessoas, mas 1,4% comprarão mais de dez presentes. O valor médio do presente será de R$ 140,00, um pouco superior ao do ano passado que variou ao redor de R$ 125,00. “Se considerarmos que cada consumidor compre três presentes isto irá trazer aproximadamente R$ 90 milhões. Será um bom dinheiro que chegará ao comércio, mas é preciso lembrar que mais de 60% dos consumidores pretendem gastar menos de R$ 100,00 em cada presente”, pontua o coordenador do Nepes, professor Celso Correia de Souza.
 
 Notícia boa para os lojistas de Campo Grande é a forma de pagamento preferida pelos entrevistados: 59% dos consumidores pretendem pagar à vista, seja em dinheiro ou por meio de cartão de débito. “A compra com cartão de credito é a escolha de 24% dos compradores e o uso de cheque é muito pequeno. Compra à vista com cheque alcança 1,4% e cheque pré-datado 1,1%”, acrescenta José Francisco. Outra escolha de compra foi a financiada pela própria loja (13%) e o financiamento bancário (0,4%). “Esta forma de compra proposta pelo consumidor diminui acentuadamente a possibilidade da inadimplência, garantindo um faturamento com um risco muito menor. Para aqueles que pretendem pagar a prazo, possivelmente para os consumidores que escolheram a forma de pagamento com o cartão de credito ou o carnê da loja, 64% escolhem a divisão das compras no máximo em três parcelas”, ressalta.
 
 Pechincha – De acordo com os dados levantados pela pesquisa, preço e desconto serão as tônicas deste Natal. O consumidor quer no pagamento à vista desconto (33%), alguma forma de promoção (24%) e benefícios (4,5%). A decisão de compra também passa pela marca do produto (7%), localização da loja (5%), indicação de amigos e parentes (3%), o nome da loja (3%) e a propaganda (3%). “Assim, o consumidor manda um recado para os lojistas: ajustem seus preços e descontos, pois os outros fatores de escolha das compras são muito fracos”, diz Reis.
 
 Segundo o coordenador da pesquisa, neste Natal também há pouca diferença na escolha do presente. “Neste ano perguntamos o que o entrevistado gostaria de ganhar e a diferença entre presentear e ganhar variou muito pouco em relação aos últimos três anos passados”, explica. As escolhas ficam entre receber roupas (19%), calçados (14%), celular (13%), perfumes (9%), jóias (7%) e acessórios (3%), como os principais. No entanto, 9% desejam ganhar eletrônicos, 6% eletrodomésticos e 5% querem ganhar uma viajem. “Perguntamos se a redução do IPI influenciaria na compra de eletrodomésticos e apenas 26% disseram que sim. Os outros 74% disseram que não ou que não sabem ainda. Pode haver compradores potenciais de eletrodomésticos neste último conjunto de compradores”, avalia.
 
Local

 A escolha sobre onde comprar muda um pouco neste Natal, de acordo com os dados do Nepes. As lojas do Centro foram escolhidas por 41% dos consumidores seguidas do Shopping Campo Grande (29%), Camelódromo (9%), Shopping Pátio Central (9%), lojas do Bairro (6%), Shopping Pátio Avenida (3%), compras na Internet (2%) e supermercados (1%). “Não há distinção de classe econômica dos compradores das lojas do Centro, mas o Shopping Campo Grande é indicado das classes A, B e C, ficando o Camelódromo e os supermercados para aqueles que escolhem os preços baixos e promoções”, fala.
 
Início das compras

 Os pesquisadores do Nepes alertam que os lojistas devem estar preparados para receber os compradores a partir do dia 10. Mesmo com mais de 42% dizendo que ainda não sabem quando irão às compras, 16% disseram que irão comprar seus presentes faltando 10 dias para o Natal; 26%, menos de 10 dias para o Natal e 16%, na véspera do Natal.

 “Deverá haver uma enxurrada de compradores de última hora. Os lojistas devem estar preparados para isto. Aliás, as compras de última hora somadas às expectativas dos consumidores em negociar preço bom e boas promoções, necessitam que os lojistas preparem seus estoques, atendentes e vendedores para dar suporte a esta massa de compradores na melhor data do comércio de Campo Grande desde 2005”, alerta José Francisco. Ele acrescenta que se em 2008 os campo-grandenses disseram que estavam melhor financeiramente do que no ano de 2007; agora, 47% disseram que estão melhores do que em 2008. “Isso é um forte indicativo de que, com relação aos aspectos econômicos, estão estáveis e seguros e que podem comprar neste Natal e estabelecer outras prioridades para 2010 como trocar de carro, adquirir uma casa ou fazer uma viagem de férias”, conclui.
 
Pesquisa

Foram 325 entrevistas válidas em Campo Grande, MS, durante o período de 23 a 28 de novembro, proporcionando um erro amostral de 5% e nível de significância de 95%.

Banner Whatsapp Desktop
ALMS
PMCG