07 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Irã

Irã pede à ONU para não publicar detalhes 'desnecessários' sobre programa nuclear

No sábado, Alemanha, França e Grã-Bretanha pressionaram o Irã a desistir de seu plano de desenvolver urânio metálico, chamando-o de "a última violação planejada" do acordo nuclear de 2015

17 janeiro 2021 - 13h27
Bandeira do Irã
Bandeira do Irã - (Foto: Reuters)
Cassems

O Irã pediu ao órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas para evitar publicar detalhes "desnecessários" sobre o programa nuclear de Teerã, relatou a TV estatal neste domingo, um dia após Alemanha, França e Grã-Bretanha dizerem que Teerã não tem "uso civil confiável" para o desenvolvimento de urânio metálico.

A reportagem citou uma declaração do departamento nuclear do Irã que pediu à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para evitar a publicação de detalhes sobre o programa nuclear iraniano, o que poderia causar confusão. "Espera-se que a Agência Internacional de Energia Atômica evite fornecer detalhes desnecessários e evitar pavimentação para mal-entendidos" na comunidade internacional, disse o comunicado, sem dar outros detalhes.

No sábado, Alemanha, França e Grã-Bretanha pressionaram o Irã a desistir de seu plano de desenvolver urânio metálico, chamando-o de "a última violação planejada" do acordo nuclear de 2015 com potências mundiais.

O objetivo do acordo é impedir o Irã de desenvolver uma bomba nuclear, algo que o Irã insiste que não quer fazer. "O Irã não tem uso civil confiável para o urânio metálico", disseram as nações europeias em um comunicado. "A produção de urânio metálico tem potencial militar com graves implicações."

Na quinta-feira, a AIEA afirmou que o Irã informou que havia começado a instalar equipamento para a produção de urânio metálico. Segundo a agência, Teerã mantém seus planos para realizar pesquisa e desenvolvimento da produção de urânio metálico como parte de seu "objetivo declarado de projetar um tipo melhorado de combustível".

O Irã reagiu à declaração europeia neste domingo, dizendo que o país informou à vigilância nuclear da ONU há quase duas décadas sobre seus planos para a "pacífica e convencional" produção de urânio metálico. E também disse que forneceu informações atualizadas à agência há dois anos sobre seus planos de produzir o combustível.

O comunicado disse que o urânio metálico é um "produto intermediário" na fabricação de siliceto de urânio, combustível usado em reatores nucleares que é mais seguro e tem mais capacidade energética do que o combustível à base de óxido de urânio que o Irã atualmente produz.

Mais tarde neste domingo, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou, em um tuíte, os europeus por seu fracasso em salvar o acordo nuclear, após a retirada dos EUA e disse que o acordo continua vivo porque o Irã não se retirou dele.

Fonte: Associated Press

Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE