01 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Acidente

Indígena de 18 anos tem braço amputado após ser atingido por raio em MS

21 janeiro 2014 - 15h28
Três pessoas estão internadas no setor de queimados da Santa Casa de Campo Grande vítimas de descargas elétricas. O caso mais grave é de José da Silva, um indígena de 18 anos, que teve o braço direito amputado devido aos ferimentos.
 
José mora em uma aldeia em Paranhos, a 477 quilômetros de Campo Grande. Ele brincava com o irmão mais novo, de 12 anos, quando ambos foram atingidos pelo raio. Como a família tem dificuldades em se comunicar em português, a equipe médica do hospital ainda não sabe se os dois jovens estavam em um campo, ou brincando em um rio no momento da descarga.
 
Além do ferimento no braço, que levou à amputação um pouco abaixo da altura do cotovelo, José também teve diversos ferimentos pelo corpo. Seu irmão sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus.
 
A outra vítima de raio internada na Santa Casa é Alexandre da Conceição Carvalho, de 38 anos. Ele é peão de fazenda, e trabalha em uma propriedade rural de Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande. Alexandre recorda que estava deitado em cima de uma tora de madeira, quando foi atingido por uma faísca da descarga elétrica.
 
Alexandre sofreu queimaduras na perna, e não deve ter maiores sequelas. "Não sei se aprendi algo, porque na fazenda a gente não aprende muita coisa. Mas agradeço por estar me recuperando bem", relata.
 
A chefe do setor de queimados do hospital, Glacy Cardoso, orienta a população a permanecer em locais fechados sempre que começar a chover. "Por isso que quase todos os casos de queimadura por raios acontece no interior, porque tem mais áreas descampadas", comenta. 
 
O processo de recuperação para uma vítima de descarga elétrica varia conforme a gravidade do caso, e dura em média de 30 a 90 dias. (Com informações Diário Digital) de Janeiro de 2014.
Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE