28 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
Mercado

Fiems alerta que redução da jornada de trabalho aumentará os custos de produção

21 agosto 2009 - 18h01
O presidente da Fiems, Sérgio Longen, que reforça o movimento empresarial contra a PEC
O presidente da Fiems, Sérgio Longen, que reforça o movimento empresarial contra a PEC - Divulgação
Fort  Atacadista - 21 ANOS

  O presidente da Fiems, Sérgio Longen, que reforça o movimento empresarial contra a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 231/95, que estabelece a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, sem a diminuição dos salários, e aumenta o adicional da hora extra de 50% para 75% do valor da hora trabalhada normal, considera que este não é um bom momento para tratar do tema, já que o setor produtivo começa a emitir sinais de recuperação e não deve ser onerado com uma medida sem fundamento.

  Na próxima terça-feira, 25 de agosto, a partir das 9h30, será realizado no plenário da Câmara dos Deputados um debate com todo o setor produtivo em mais uma etapa da tramitação da PEC 231/95 no Congresso Nacional. O presidente da Fiems argumenta que a mudança prevista é inoportuna e inadequada.

  “A indústria tem papel estratégico no processo de recuperação econômica e, além disso, essa PEC está sendo inserida no ambiente de um ano pré-eleitoral”, esclareceu.

  A tentativa de implementar as medidas da PEC caminham na direção contrária a todas as medidas até agora tomadas pelo Governo Federal e também pelos governadores direcionadas a reduzir a carga tributária para impedir o desemprego e manter a produção. “Estamos preocupados com a manutenção dos empregos dos trabalhadores.

  Ninguém vai conseguir arcar com os custos desta Proposta, sem promover reajustes no seu quadro funcional”, avisou Longen, afirmando que está errado reduzir a jornada pela via da imposição legal, pois vai equiparar uma pequena empresa de confecção a uma empresa intensiva em capital.

  Caso seja aprovada, a redução da jornada de trabalho, sem a diminuição correspondente dos salários, elevará os custos das empresas e desestimulará a criação de empregos.

  Estudos feitos pelo professor de Relações do Trabalho da Universidade de São Paulo (USP), José Pastore, confirmam a avaliação dos empresários que integram a Frente Nacional contra a PEC.

 Segundo ele, a eventual aprovação da redução da jornada de trabalho, sem o ajuste correspondente nos salários, e o aumento do valor da hora extra, elevará os custos com o trabalho, indistintamente para todas as empresas e setores de atividades do País.

  Diante disso, analisa Pastore, os empresários que não conseguirem repassar o aumento dos custos para os preços poderão simplesmente cortar a produção.

  Outra estratégia que poderá ser adotada é a mecanização da produção. “Se o trabalho fica muito oneroso, a empresa pode substituir a mão-de-obra por máquinas”, diz ele. “Nenhuma dessas estratégias estimulam as contratações de trabalhadores”, conclui.

Banner Whatsapp Desktop
PMCG
TCE - Devolução Auxílio Emergencial