27 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
SAÚDE

E a solidariedade segue

A iniciativa, coordenada pelo governo estadual de São Paulo, já recebeu contribuições de 251 empresas e entidades

12 agosto 2020 - 06h50
A iniciativa, coordenada pelo governo estadual de São Paulo, já recebeu contribuições de 251 empresas e entidades
A iniciativa, coordenada pelo governo estadual de São Paulo, já recebeu contribuições de 251 empresas e entidades - (Foto: Flicker)

Diante da tragédia que é perder cerca de mil vidas brasileiras todo dia, acompanhar ações de solidariedade pode ser um alento. Nesse aspecto, a semana começou com, ao menos, uma boa notícia. Na última segunda-feira, 10, um grupo de empresas se reuniu e arrecadou, em um único dia, R$ 108 milhões, que serão usados para estratégias e ações de contenção da pandemia. Foi o 16º encontro do Grupo Empresarial Solidário, composto por 450 integrantes que se mobilizam quinzenalmente para levantar doações em dinheiro, serviços e materiais.

A iniciativa, coordenada pelo governo estadual de São Paulo, já recebeu contribuições de 251 empresas e entidades, totalizando mais de R$Shamalai 1,03 bilhão. Todo o processo, desde o recebimento até a entrega e aplicação dos recursos, está sendo auditado pela PricewaterhouseCoopers Brasil.

Além das companhias privadas, a comissão também recebe doações da sociedade civil, que, quando em dinheiro, são concentradas no Fundo Social de São Paulo (saiba como ajudar pelo link: bit.ly/doacoessp).

Uma opção para acompanhar ações solidárias é o Monitor das Doações (www.monitordas doacoes.org.br), uma plataforma online que, desde o dia 31 de março, consolida os valores arrecadados não apenas por empresas, mas também por lives e campanhas. Quando entrou no ar, ele indicava a cifra de R$ 450 milhões. No fim de maio, a quantia subiu para R$ 5,5 bilhões. "Teve um aporte muito grande nos dois primeiros meses e a maior parte das doações foi de empresas. Desde então, em junho e julho, foi doado meio bilhão de reais, neste caso, com uma participação expressiva das campanhas, das lives, com doações menores; enfim, uma participação mais democrática", observa Márcia Woods, presidente da Associação Brasileira de Captadores de Recursos, em entrevista ao Estadão.

A porta-voz da entidade, responsável por manter o Monitor das Doações, diz que a diminuição da arrecadação era até esperada. Isso porque, segundo ela, "muitos dos recursos de empresas levam tempo para serem empenhados e estão se transformando em benefício social agora".

Atualmente, a plataforma contabiliza mais de R$ 6,039 bilhões vindos de 478 mil doadores. A expectativa é de que as doações de indivíduos continuem e que as corporativas cresçam novamente. "As demandas sociais continuarão, então, esperamos que haja uma reavaliação das estratégias de doação corporativa, para que as empresas consigam acompanhar as demandas e esse volume volte a subir", analisa Márcia.

Essa mudança foi o que ocorreu na Sodiê Doces. A rede, com mais de 300 lojas, desde março, distribui alimentos para entidades de assistência social pelo País. Agora, as doações foram incorporadas, definitivamente, à sua verba de marketing. Assim, todo mês, serão doadas 20 toneladas de comida para populações de quatro diferentes cidades - em agosto, Goiânia e Fortaleza estão entre as escolhidas.

Outro tipo de iniciativa que segue forte desde o início da pandemia é a adaptação de fábricas para produzir itens de proteção a profissionais de saúde. A montadora de automóveis Ford, por exemplo, já fabricou e doou 112 mil máscaras faciais - 35 mil delas, que saíram da planta de Camaçari (BA), foram entregues, recentemente, à Secretaria de Saúde paulista e também à prefeitura de Taubaté.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS