27 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
aguas novembo
Saúde

Campo Grande agora tem padrão de excelência em reprodução humana

Auristela Rios e Dr. José Eduardo: Capital passa a oferecer reprodução humana de qualidade
Auristela Rios e Dr. José Eduardo: Capital passa a oferecer reprodução humana de qualidade - Divulgação
Fort Atacadista Natal

Estrategicamente localizada na Região Centro Oeste, Campo Grande, a Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, com aproximadamente um milhão de habitantes, passou a ser vista como sendo um grande centro médico na área de reprodução humana.

O médico José Eduardo Silveira dos Santos é considerado um dos principais responsáveis pela evolução do setor.

Na entrevista abaixo ele detalha com clareza todos os passos para alcançar o objetivo proposto. Ou seja, transformar o sonho da concepção em realidade.

 

O que vem a ser reprodução humana?
JE - É a capacidade que o ser humano tem em se reproduzir, gerando filhos saudáveis e férteis.

Quais são os critérios utilizados para tal procedimento?
JE - Os critérios são éticos, psicológicos e técnicos que devem harmonicamente sustentar um serviço de reprodução humana, seja de alta ou de baixa complexidade.

O paciente é preparado psicologicamente?
JE - Sim, o paciente deve ser sempre avaliado psicologicamente, sendo estar esclarecido do que é ético além de ser orientado dos custos, taxas de sucesso e riscos inerentes ao tratamento.

Da fecundação do óvulo ao parto a paciente é acompanhada pelo médico?
JE - Sempre e este acompanhamento sempre contempla a parte física e emocional da paciente. Quando uma paciente é referendada a um serviço de referência para tratamento da sua infertilidade, após o êxito do procedimento ela é reencaminhada ao seu ginecologista e obstetra para acompanhamento da sua gestação e do seu parto.

Qual a probabilidade de nascimento de gêmeos ou trigêmeos? Qual o risco que a mãe corre?
JE - A probabilidade de nascimento de gêmeos é de 1/80, trigêmeos é de 1 para 6.400 e quadrigémeos é de 1 para 512.000.

Qual o risco que a mãe corre?
JE - Sempre digo às minhas pacientes que os gêmeos são lindos passeando no shopping Center em dois carrinhos iguais, com as mesmas roupinhas. A mulher porém foi programada pela natureza para gerar e dar a luz a um filho por vez. A Gemelidade sempre implica em riscos para a mãe e bebe como prematuridade com graves conseqüências à criança. As chances de abortamento aumentam e a partir do 7º mês gestacional o repouso da mãe e atenção à medicação prescrita pelo seu medico devem ser seguidas à risca. A mãe de gêmeos tem mais probabilidade de desenvolver hipertensão arterial na gravidez, diabetes e outras patologias. Os riscos para a mãe e feto vão aumentando muito se a gestação é de gemelar, trigemelar, quadrigêmeos, quíntuplos ou sêxtuplos e a isto chamamos de morbimortalidade materna e fetal. Além de tudo isto, ocorre também uma deformidade do corpo da mãe, proporcional ao número de conceptos. Em serviços de reprodução humana de qualidade, as chances de gestações múltiplas ficam abaixo de 10%.

Estatisticamente e falando de pioneirismo, quantas crianças foram concebidas em Campo Grande e em Mato Grosso do Sul graças ao avanço da medicina?
JE
- O grande marco do avanço da medicina em nosso estado foi o nascimento da Jéssica em dezembro de 1992 que hoje mora em Coxim e juntamente com sua mãe Iracema, continuam sendo minhas pacientes. Aliás, diga-se de passagem, já comecei a fazer o parto das “meninas” que ajudei a colocar no mundo. É uma coisa engraçada e demonstra idade ou experiência para os mais otimistas. De lá para cá, se contarmos os tratamentos de baixa complexidade como fatores masculinos, aqueles por micro cirurgias, os hormonais e inseminações, realizados pelos diversos profissionais do Estado, o número fica muito alto e eu diria acima de mil.

Como se situa Campo Grande nessa área?
JE - Campo Grande hoje acompanha os grandes centros e proporciona o que existe de mais moderno nesta área. Iniciamos em março deste ano os procedimentos de fertilização chamados ICSI onde forçamos a fecundação, injetando com o auxílio de um microscópio de alta resolução o espermatozóide dentro do óvulo, aguardamos por 2 dias o desenvolvimento do embrião e fazemos a transferência do laboratório para o interior do útero materno no 3º dia.

A reprodução humana é acessível a todos os bolsos?
JE - A de baixa complexidade sim, e são as de maior número como por exemplo os tratamentos hormonais, infecciosos, os fatores masculinos e as micro cirurgias. Já os de alta complexidade estão disponíveis gratuitamente em alguns grandes centros porém, não atendem a demanda e as filas de experiência são grandes. O preço de uma inseminação intra-uterina hoje gira em torno de R$ 2.000,00 e da fertilização assistida em torno de R$ 8.000,00.

Onde e como obter as informações para iniciar o tratamento?
JE - As informações detalhadas poderão ser obtidas na Clínica Única-Centro Médico/Provida – telefones 3325-2002/3325-2828 ou pelo e-mail jesilveirasantos@uol.com.br

Banner Whatsapp Desktop
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia