28 de outubro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
TCE - Devolução Auxílio Emergencial
ESPORTE

Del Nero também recebeu subornos, diz procuradoria da Espanha sobre investigação

25 maio 2017 - 11h03
Fort  Atacadista - 21 ANOS

O atual presidente da CBF, Marco Polo del Nero, é citado na denúncia preparada pelo Ministério Público da Espanha sobre a lavagem de dinheiro no futebol. Ele é apontado como uma das pessoas que recebeu subornos da Klefer, empresa de Kleber Leite, para a Copa do Brasil de 2013.

A denúncia contra o atual chefe da CBF já fazia parte das investigações do FBI. Mas, agora em Madri, o caso volta a ser mencionado. Desta vez, os procuradores apontam que a Klefer foi uma das empresas que alimentou a rede de companhias de fachada para lavar dinheiro da CBF.

De acordo com a investigação, a empresa brasileira depositou em 14 de abril de 2014 quase US$ 1 milhão para a ITASCA, uma companhia com sede no Panamá e também controlada pelo grupo de Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona.

"A Klefer tinha assinado um contrato no ano de 2011 com a CBF, pelo qual pagaria supostas comissões ilegais para a obtenção de direitos de difusão e marketing da Copa do Brasil de Futebol de 2013, para esses direitos fossem a outras sociedades", aponta o documento da procuradoria da Espanha. "Essas comissões iriam para Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero", indica o documento.

O atual presidente da CBF não deixa o Brasil desde maio de 2015, quando o FBI o indiciou após o estouro do escândalo de corrupção envolvendo uma série de dirigentes da Fifa, entre eles José Maria Marin, ex-presidente da CBF, que ficou 160 dias preso na Suíça e depois foi extraditado aos Estados Unidos. Com julgamento marcado para novembro nos EUA, ele atualmente cumpre regime de prisão domiciliar em Nova York.

Banner Whatsapp Desktop
ALMS
AL MS