28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
SONDAGEM INDUSTRIAL

Produção industrial de Mato Grosso do Sul fecha 2015 com queda

De um modo geral, os empresários industriais se mostraram insatisfeitos com a margem de lucro operacional de suas empresas no quarto trimestre de 2015

22 janeiro 2016 - 12h48DA REDAÇÃO COM INFORMAÇÕES DA ASSESSORIA
Divulgação
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Após quatro meses de relativa estabilidade, a atividade industrial em Mato Grosso do Sul apresentou forte queda em dezembro de 2015, conforme a Sondagem Industrial realizada em outubro pelo Radar Industrial da Fiems junto às empresas sul-mato-grossenses. "O índice referente à produção fechou o mês marcando 33,2 pontos, recuo de 8,8 pontos em relação a novembro e de 9,8 pontos sobre o mesmo mês de 2014. Os dados sugerem um movimento que foi além da sazonalidade típica para o período", analisou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende. 

Ainda de acordo com a Sondagem Industrial, para 56,6% dos respondentes a produção em dezembro foi menor, quando comparada com mês de novembro. Além disso, para 61,3% dos respondentes, a utilização da capacidade instalada ficou abaixo do usual para o mês. "O índice marcou 32,8 pontos em dezembro, queda de 5,7 pontos no comparativo com igual mês de 2014, mantendo o resultado muito abaixo do patamar considerado adequado para o período, que é alcançado quando o indicador se situa em torno dos 50 pontos. Por fim, a ociosidade média no mês de dezembro foi de 38%", pontuou Ezequiel Resende. 

Ele acrescenta que os empresários da indústria estadual não acreditam em melhoras significativas em relação à demanda por seus produtos, quantidade exportada, número de empregados e compras de matérias-primas nos próximos seis meses. "Com exceção da quantidade exportada, os índices que medem a expectativa em relação à demanda por seus produtos, número de empregados e compras de matérias-primas ficaram, mais uma vez, abaixo dos 50 pontos", afirmou. 

Insatisfação 

De um modo geral, os empresários industriais se mostraram insatisfeitos com a margem de lucro operacional de suas empresas no quarto trimestre de 2015, com o indicador alcançando 34,1 pontos. Comportamento semelhante foi verificado em relação às condições de acesso ao crédito e situação financeira geral da empresa, os indicadores alcançaram os 30,7 e 35,8 pontos, respectivamente. "Vale ressaltar que valores abaixo de 50 pontos indicam insatisfação dos empresários em relação aos itens pesquisados", destacou Ezequiel Resende. 

A Sondagem Industrial apontou que, em Mato Grosso do Sul, no quarto trimestre de 2015, 64,3% dos empresários industriais consideraram ruim a margem de lucro operacional obtida no período. "Na mesma comparação, o acesso ao crédito foi considerado difícil por 66,7% dos empresários, enquanto a situação financeira geral da empresa foi considerada ruim por 56,8% dos respondentes. Por fim, 76,8% responderam que houve aumento dos preços das matérias-primas utilizadas", afirmou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems. 

O levantamento também demonstrou que a elevada carga tributária, falta ou alto custo de energia, demanda interna insuficiente, falta de capital de giro e taxa de juros elevadas foram os principais problemas apontados pelos industriais sul-mato-grossenses no quarto trimestre do ano. "Ainda chamaram a atenção a falta ou alto custo da matéria-prima e a inadimplência dos clientes", reforçou Ezequiel Resende. 

ICEI 

Já o Índice de Confiança do Empresário Industrial em Mato Grosso do Sul (ICEI/MS) segue nos mais baixos patamares da série histórica. "Janeiro de 2016 marca o 18º mês consecutivo com o índice inferior aos 50 pontos, marcando 34 pontos. O resultado permanece abaixo da linha divisória dos 50 pontos, principalmente, pelo pessimismo apresentado em relação às atuais condições da economia brasileira, sendo a variável de pior desempenho, marcando somente 16,8 pontos", detalhou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems. 

Em janeiro, para 93,2% dos respondentes as condições atuais da economia brasileira pioraram, enquanto no caso da economia estadual, na mesma comparação, a piora foi apontada por 81,4% dos participantes. Com relação à própria empresa, as condições atuais estão piores para 65,9% dos respondentes, enquanto para 31,8% elas não se alteraram. Para os próximos seis meses, 66,6% dos respondentes mostraram-se pessimistas em relação à economia brasileira, enquanto no caso da economia estadual o pessimismo foi apontado por 59,1% dos participantes da pesquisa. Com relação ao desempenho da própria empresa, considerando os próximos seis meses, 48,9% dos respondentes mostraram-se pessimistas, patamar ainda próximo aos dos que acham que a situação permanecerá igual, que chegou a 37,8%. 

Além disso, 76% dos empresários industriais do Estado não pretendem investir nos próximos seis meses. "O industrial sul-mato-grossense mostra-se pouco confiante em relação aos investimentos, 76,1% dos respondentes disseram que não pretendem realizar investimentos nos próximos seis meses a partir de janeiro. Por fim, o indicador de intenção de investimento marcou 30,5 pontos, recuo de 37,4% sobre igual mês do ano passado", afirmou Ezequiel Resende.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
TJ MS
pmcg ms