03 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
2021

Mercado financeiro já projeta inflação de 2021 acima da meta central do BC

O centro da meta perseguida pelo BC é de 3,75%. A margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 2,25% e 5,25%)

22 fevereiro 2021 - 09h25

Em meio à alta nos preços dos alimentos e de combustíveis, os economistas do mercado financeiro já projetam uma inflação em 2021 acima da meta perseguida pelo Banco Central. O Relatório de Mercado Focus - que reúne as expectativas do mercado - indica que a inflação projetada para este ano já está em 3,82%. O centro da meta perseguida pelo BC é de 3,75%. A margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 2,25% e 5,25%).

Esta é a primeira vez, considerando as projeções feitas nos últimos dois anos, que o mercado indica a expectativa de que o IPCA - o índice oficial de inflação - fique acima do objetivo central do BC, ainda que dentro da margem de tolerância. O porcentual diz respeito à mediana de todas as projeções encaminhadas ao BC para formulação do relatório. Mas para pelo menos uma instituição consultada no Focus, a inflação encerrará 2021 em patamar ainda maior, aos 4,61%.

A elevação das projeções reflete a pressão exercida pelos preços dos alimentos e de itens do setor de energia. Desde o ano passado, a alta das commodities no mercado internacional tem influenciado as cotações do dólar, o que também traz impactos para outros itens da cesta de produtos e serviços dos índices de inflação.

No setor de energia, há impactos recentes da adoção de bandeiras tarifárias e dos reajustes dos combustíveis realizados pela Petrobras, na esteira dos aumentos dos preços internacionais do petróleo.

Em reação, na última sexta-feira o presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou a demissão do então presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, numa clara intervenção na política de preços da estatal. O pano de fundo é justamente a alta de preços no Brasil - mais especificamente do óleo diesel, que tem provocado insatisfação entre os caminhoneiros.

Em um cenário com inflação mais elevada, o Banco Central pode não ter tanto espaço para manter a Selic (a taxa básica de juros) no mínimo histórico por mais tempo. Atualmente, a Selic está em 2,00% ao ano, mas os economistas do mercado financeiro já projetam a taxa básica no dobro disso no fim de 2021, em 4,00% ao ano. A expectativa mediana do mercado é de que a alta da Selic comece em maio deste ano.

Inflação dos aluguéis

A pressão inflacionária atual pode ser percebida mais diretamente no IGP-M - o índice de inflação que, tradicionalmente, é utilizado como referência para reajuste dos contratos de aluguel no Brasil. Em 2020, o índice acumulou uma alta de 25,31%, sob influência do avanço do dólar ante o real.

Para 2021, os economistas do Focus já projetam um aumento de 8,02% para o IGP-M - no início do ano, esta expectativa estava em 4,58%. Na prática, em menos de dois meses a projeção para o IGP-M em 2021 quase dobrou.

Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE