27 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
ECONOMIA

Juros longos fecham em alta com piora da percepção sobre o risco fiscal

4 agosto 2020 - 16h46

As preocupações com o cenário fiscal sustentaram aumento da inclinação da curva de juros durante toda a terça-feira, 4, com alta de taxas nos vértices intermediários e longos e estabilidade na ponta curta. A possibilidade da extensão do pagamento do auxílio-emergencial até o fim do ano e da prorrogação do estado de calamidade pública até 2021 e as ameaças ao teto de gastos, considerado a grande âncora fiscal do País, trazem desconforto ao investidor. O resultado da indústria em junho melhor do que o esperado não trouxe alterações no quadro de apostas para a Selic no Copom de amanhã, mas para setembro caiu um pouco a probabilidade de corte da taxa básica.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021, que melhor capta as apostas para as próximas reuniões do Copom, encerrou em 1,915%, de 1,893% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2023 subiu de 3,652% para 3,76%. O DI para janeiro de 2027 fechou com taxa de 6,18%, de 6,062% ontem.

Num dia de véspera de Copom, um avanço da produção industrial acima da mediana das estimativas, em tese, tinha tudo para chacoalhar o mercado e pesar no quadro de apostas para a Selic, mas a curva segue projetando 80% de chance de corte da Selic amanhã em 0,25 ponto porcentual e 20% de possibilidade de manutenção no atual patamar de 2,25%. Para o Copom de setembro, as chances de queda de 0,25 ponto caíram marginalmente de ontem (30%) para hoje (26%). Os cálculos são do Haitong Banco de Investimentos.

A produção avançou 8,9% em junho ante maio, acima da mediana das previsões (+7,8%). Porém, o IBGE destaca que o avanço de 17,19% acumulado nos últimos dois meses é insuficiente para recuperar a perda de 26,6% registrada nos meses de março e abril.

"A PIM veio um pouco melhor do que o estimado, mas hoje foi o fiscal mesmo que pesou, com muita notícia ruim", afirmou a gestora de renda fixa da MAG Investimentos, Patricia Pereira. A informação de que o governo estuda estender o auxílio emergencial até o fim de 2020, mas com valor de R$ 200, apurada pelo Estadão/Broadcast, trouxe desconforto. Segundo Patricia, o ponto é que a redução necessita de autorização do Congresso. "Não basta o executivo querer", afirmou.

Também pegou mal a possibilidade de o Congresso adiar o decreto de calamidade pública no País para 2021. Com isso, o governo não precisaria cumprir a regra de ouro nem fazer bloqueios no orçamento para atingir a meta fiscal também no ano que vem.

Para Paulo Nepomuceno, operador de renda fixa da Terra Investimento, pela gravidade da situação até que o aumento da inclinação foi modesto. "Os juros subiram pouco perto do que pode ser o problema", avalia. "Claro que ainda há vários 'senões', não há nada ainda confirmado", afirmou, ponderando que o silêncio do governo, que não confirma nem nega as informações, pode dizer muita coisa.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
pmcg ms
TJ MS