26 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
maracajunov
dólar

Dólar sobe com impasse sobre pacote nos EUA e covid no radar em semana de Copom

Na sexta-feira, a alta de 0,94% do IPCA-15, acima do teto das estimativas (0,93%) e o dobro do resultado de setembro (0,45%)

26 outubro 2020 - 09h07
Dolar
Dolar - (Foto: Agência Brasil)
Fort Atacadista Natal

O dólar segue em alta no mercado doméstico nesta segunda-feira, após ter subido na sexta, com investidores em compasso de espera por uma definição sobre o pacote fiscal nos Estados Unidos e pelo comunicado do Copom na quarta-feira, que deve resultar em Selic estável em 2,00%. O aumento de casos da covid 19 na Europa e EUA e a última semana da campanha eleitoral americana trazem aversão a risco, com queda firme das bolsas ocidentais. Também a falta de solução para o problema fiscal e da dívida pública brasileira em semana de recesso branco no Congresso ajuda no mal-estar no câmbio.

A expectativa é pelo que o Copom dirá sobre a situação fiscal e o aumento recente da inflação. Na sexta-feira, a alta de 0,94% do IPCA-15, acima do teto das estimativas (0,93%) e o dobro do resultado de setembro (0,45%), acendeu alerta sobre a inflação em meio ainda o dólar acima dos R$ 5,60 ante o real.

Os investidores monitoram as revisões das projeções na Pesquisa Focus para o IPCA e câmbio no fim de 2020 e 2021, e também para a Selic e o PIB no ano que vem. Houve elevação na projeção de IPCA para 2020 de 2,65% para 2,99%, e para 2021, de 3,02% para 3,10%. Também mudaram a projeção de Selic em 2021, que subiu de 2,50% para 2,75%; no PIB de 2020 de -5,00% para -4,81%, mas o de 2021 passou de +3,47% para +3,42%. E para o câmbio, a estimativa para fim de 2020 passou de R$ 5,35 para R$ 5,40 e, para 2021, subiu de R$ 5,10 para R$ 5,20.

Já o Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 3,8 pontos na passagem de setembro para outubro, para 95,8 pontos. E o IPC-S mostrou alívio em todas as sete capitais pesquisadas na terceira quadrissemana de outubro. No período, o índice cheio desacelerou de 1,01% para 0,79%.

Às 9h37 desta segunda-feira, o dólar à vista subia a R$ 5,6501 (+0,37%). O dólar futuro para novembro ganhava 0,49%, a R$ 5,6520. Pouco antes das 10h, o dólar se fortaleceu ainda mais ante o Real e outras divisas emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano, após a desaceleração do índice de atividade nacional dos Estados Unidos de 1,11 em agosto para 0,27 em setembro. A média móvel dos últimos três meses, por sua vez, diminuiu de 3,22 em agosto para 1,33 em setembro, informou o Fed de Chicago. Na máxima, o dólar à vista atingiu R$ 5,6636 (+0,61%). O dólar futuro de novembro atingiu máxima a R$ 5,6645 (+0,74%).

Banner Whatsapp Desktop
Comper sem sair de casa

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você pretende comprar na Black Friday?

Votar
Resultados
Comper sem sair de casa
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia