26 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
ECONOMIA

Crise política ameaça PIB e cenário de recuperação da economia, diz ex-BC

1 junho 2017 - 11h18

O economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, avalia que os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre divulgados nesta quinta-feira, 1º de junho, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vieram, no geral, bons, mas a crise política pode atrapalhar o cenário de recuperação da economia. Segundo ele, se o imbróglio em Brasília se prolongar, a expansão do PIB pode ficar perto de zero em 2017.

"Estávamos nos encaminhando para o crescimento positivo. Este cenário está ameaçado pelo tipo de solução que vai se dar para a crise política", disse o ex-diretor do BC.

Para ele, enquanto não se souber se o presidente Michel Temer fica ou não no Planalto, o ambiente de incerteza vai afetar os negócios. Schwartsman acredita que dificilmente o peemedebista vai se manter no cargo.

No caso de Temer prosseguir com o mandato, o economista avalia que o presidente vai usar todo seu capital político justamente para continuar no Planalto. Assim, a agenda de reformas ficaria em segundo plano. "As reformas ficam ameaçadas e com elas as perspectivas de recuperação." Por isso, para a atividade econômica, a troca de presidentes seria positiva.

Sobre os dados do PIB do primeiro trimestre, Schwartsman ressalta que sem a enorme contribuição do agronegócio, o crescimento não teria sido o divulgado, de 1% na comparação com o quarto trimestre de 2016. "No geral, o PIB veio bom", disse a jornalistas, destacando que ainda faltam sinais de recuperação na demanda doméstica. Uma recuperação mais persistente vai depender da capacidade de reação desta demanda, ressaltou ele.

Sem a crise política, observou Schwartsman, havia chances até de elevar a projeção de PIB para 2017. Mas, com a turbulência, a possibilidade agora passou a ser de piora dos números. Dependendo do tempo de duração da crise e de como ela se resolve, o PIB pode crescer perto de zero este ano. "Se a crise se resolver rápido, é um outro cenário."

Um dos efeitos imediatos da turbulência política, na visão de Schwartsman, é que a probabilidade de aprovação das reformas se reduziu. A trabalhista ele acredita que passa no Senado, mas a da Previdência será mais difícil e há risco de mais esvaziamento das propostas. "Há duas semanas eu estava com muito mais fé na aprovação das reformas."

Schwartsman participou nesta quinta-feira do seminário "Perspectiva para o agribusiness em 2017 e 2018", organizado pela B3.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS