26 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
ECONOMIA

Confiança da Construção cai 2,5 pontos em maio ante abril, revela FGV

26 maio 2017 - 08h02
Foto: Marcelo Camargo/ABr
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

O Índice de Confiança da Construção (ICST), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 2,5 pontos em maio, atingindo 74 pontos, informou a instituição nesta sexta-feira, 26. O indicador, assim, devolveu os discretos ganhos dos últimos meses e retornou ao nível de setembro de 2016 (74,2 pontos).

Mesmo sem ainda captar o aumento de incertezas no ambiente político, segundo a coordenadora de projetos da construção do Ibre/FGV, Ana Maria Castelo, a queda na confiança no mês foi determinado pela piora das avaliações dos empresários sobre a situação atual e sobre o futuro dos negócios. Ana Maria afirmou que o retração na confiança reflete a situação de fragilidade do cenário para o setor da construção.

"A avaliação dominante entre as empresas é que o quadro está melhor do que no ano passado, mas ainda não mostra dinamismo para uma possível recuperação. A percepção em relação à situação corrente vem oscilando em patamares muito baixos, levando a uma calibragem para baixo de expectativas. A pesquisa ainda não captou o aumento de incerteza no ambiente político, que pode postergar ainda mais a retomada dos investimentos", comentou Ana Maria.

O Índice de Expectativas (IE-CST) caiu 3,0 pontos, para 84,6 pontos, com contribuição maior do indicador que mede o otimismo com a situação dos negócios nos seis meses seguintes, que recuou 3,8 pontos, para 85,6 pontos. Já o Índice de Situação Atual (ISA-CST) teve declínio de 2,0 pontos, para 63,7 pontos, devolvendo a alta de 2,9 pontos do mês anterior. O destaque é a queda de 2,2 pontos no subíndice que mede situação dos negócios correntes, que atingiu 64,6 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor caiu de 0,7 ponto porcentual e alcançou 62,1% em maio, o menor nível da série.

A FGV também mencionou que o mercado de trabalho no setor de construção ainda deve se manter em queda por algum tempo. "Com a atividade mantendo-se em nível muito baixo e as expectativas de melhora se revertendo, as empresas do setor continuam com tendência a desmobilizar mão de obra."

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
TJ MS INTERNO
TJ MS
pmcg ms