06 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Economia

Brasil deve atrair US$ 60 bi em investimentos do exterior

20 janeiro 2014 - 11h11
Fábrica da Land Rover, na Inglaterra
Fábrica da Land Rover, na Inglaterra - Oli Scarff / Getty Imagens
Cassems
Os números só saem na sexta-feira (24), mas já é possível antecipar que o Brasil conseguiu manter em 2013 o seu nível de investimentos estrangeiros diretos ante os dois anos anteriores, permanecendo na lista dos dez países com maior fluxo de IED no mundo. E isso apesar do pessimismo – exagerado, para alguns – que parece reinar sobre a trajetória da economia, que convive com uma ameaça de rebaixamento de rating e o debate sobre a qualidade desses investimentos.
 
Segundo Luís Afonso Lima, diretor-presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e Globalização Econômica), o País deverá fechar o ano passado com US$ 63,5 bilhões em IED, após os 65,2 bilhões de dólares de 2012 e os US$ 66,6 bilhões de 2011. O valor acumulado entre janeiro e novembro últimos é de US$ 57,5 bilhões - projeções divulgadas pelo Banco Central apontam para US$ 63 bilhões no ano fechado.
 
“Não se trata de um pessimismo com o Brasil. E sim de um menor otimismo. Há um pano de fundo menos favorável, e não apenas para o País. Temos um menor fluxo global de investimentos diretos”, afirma Lima. Caso suas estimativas se confirmem, o IED estaria encaminhado a fechar mais de um ano acima do patamar de 2,5% do Produto Interno Bruto brasileiro.
 
O Brasil mantém-se desde 2011 com volume líquido de IED acima dos US$ 60 bilhões. O novo patamar, que marcou os maiores valores já registrados na série histórica iniciada em 1947, marcou um salto de 37% ante 2010, quando o resultado foi de US$ 48,5 bilhões. Até 1996, o valor não havia chegado a dois dígitos, tendo atingido, no máximo, US$ 4,4 bilhões.
 
O IED caracteriza-se por investimentos estrangeiros na criação, fusão ou aquisição de uma unidade produtiva nacional, e também por operações internas entre matrizes no exterior e suas subsidiárias e filiais.
 
A corretora Gradual Investimentos também destaca a manutenção do atual patamar, prevendo resultados similares tanto para o ano passado como para 2014. “Apesar de o Brasil incorrer em muitos problemas, a gente tende a melhorar. As últimas ações inspiram uma maior confiança em um país que tende a resolver seus problemas macroeconômicos”, avalia o seu economista-chefe, André Perfeito.
 
Ele se refere à decisão tomada pelo BC, na última semana, de elevar a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 10,5% ao ano, após uma alta maior que a esperada da inflação em 2013. O movimento do BC ocorre, inclusive, no início de um ano em que serão feitas eleições presidenciais, o que, em tese, poderia segurar novas medidas, ainda mais com a economia em marcha lenta. “Acho que o governo está consciente de que tem de fazer ajustes”, observa Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, responsável pela estabilização da economia, em 1994, depois de décadas de hiperinflação.
Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE