18 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
 Águas Guariroba - [ Campanha Águas em Ação 3] - Full Banners
ECONOMIA

Assinado acordo para viabilizar recursos 'verdes' ao Mais Luz para a Amazônia

A intenção é a de reduzir o custo dos investimentos necessários para implantação do programa

15 setembro 2020 - 17h10
O Mais Luz para a Amazônia visa estimular a instalação de painéis solares e baterias nas regiões isoladas da Amazônia
O Mais Luz para a Amazônia visa estimular a instalação de painéis solares e baterias nas regiões isoladas da Amazônia - (Foto: Herton Escobar/Estadão)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

O Ministério de Minas e Energia e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram nesta terça-feira, 15, um acordo de cooperação técnica que visa elaborar soluções financeiras que reduzam o custo dos investimentos necessários para implantação do programa Mais Luz para a Amazônia.

Uma das formas de efetivar essa redução é qualificar o projeto como beneficiário dos recursos do Green Climate Fund (GCF), apontou o MME. "A aprovação de projetos no GCF gera, por exemplo, um 'selo verde' de entidade internacionalmente reconhecida, agregando valor à imagem das empresas envolvidas", disse a pasta.

Lançado em fevereiro, o Mais Luz para a Amazônia visa estimular a instalação de painéis solares e baterias nas regiões isoladas da Amazônia, hoje atendidas por geradores a diesel. O atendimento de famílias de baixa renda e inscritas em programas sociais será prioritário, assim como para os que residem em unidades de conservação. Os investimentos estimados estão em mais de R$ 3 bilhões.

"Dado o significativo impacto social e econômico e também de preservação ambiental, que são pilares do Programa, aliado à expertise do BNDES, tenho certeza que a celebração deste acordo permitirá um trabalho em conjunto que qualificará o Programa para obtenção de recursos de fundos internacionais", afirmou ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, durante a cerimônia.

De acordo com o ministério, o financiamento tem duas vertentes. Um deles é direcionado às distribuidoras de energia para a instalação de infraestrutura necessária para implementar o programa. O outro tem foco nas comunidades locais, visando à assistência técnica para preparação e implementação de projetos de atividades produtivas sustentáveis na localidade beneficiária.

As linhas de financiamento, à princípio, terão prazo de 20 anos, com cinco anos de carência para início da amortização.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Considerando a pandemia do novo coronavírus, você acha que o TSE deveria ter editado resolução e tornado o voto não obrigatório este ano?

Votar
Resultados
GAL COSTA
pmcg ms
TJ MS