28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
VARIEDADES

É possível bailar?

Depois de quase seis meses, as escolas de dança de salão estão retomando suas atividades

16 setembro 2020 - 07h00
A dança, segundo muitos alunos, tem a capacidade de fazer com que a pandemia desapareça por uns minutos
A dança, segundo muitos alunos, tem a capacidade de fazer com que a pandemia desapareça por uns minutos - (Foto: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Se o baile começou e você ficou sem par, calma, não se preocupe: dançar sozinho é o que existe de mais recomendável. Pelo menos, por enquanto.

Depois de quase seis meses, as escolas de dança de salão estão retomando suas atividades - que estiveram suspensas por consequência da pandemia de Covid-19. O desafio não é pequeno. Como ensinar a dançar com distanciamento social? Baile sem mão na cintura? Sem nenhum contato? Como dançar bolero, tango, forró ou samba de gafieira sem estar juntinho? Sim, os professores e especialistas garantem que é possível.

Na Escola de Dança Celso Vieira, por exemplo, todo o processo foi adaptado para o período pandêmico. As salas têm no máximo 10 pessoas, com dois metros de distanciamento entre elas. Na chegada, os alunos passam por medição de temperatura e por um tapete sanitizante. E, claro, o álcool está espalhado por todos os cantos. As aulas estão com horários reduzidos e o uso de máscara é obrigatório.

A questão, porém, é viabilizar uma aula de dança em que todos estão sem seus pares (ou não podem tocá-los). "Adaptamos o desenvolvimento de técnicas em que o aluno evolui sem precisar dançar com um parceiro. Trabalhamos os ritmos, o equilíbrio, movimentos mais lúdicos e a musicalidade", disse Celso Vieira, proprietário da escola que leva o seu nome.

Clóvis Jurado, da Casa de Dança Carlinhos de Jesus, contou que, a princípio, os passos serão aprendidos de forma individual, mas que, assim como outras escolas, estuda a possibilidade de implementar turmas com casais (namorados, marido e mulher) ou pessoas que já morem junto. "Mesmo sem um parceiro, é possível atingir um bom nível de dança", falou.

Na academia Milena Malzoni Dance Center, a proprietária contou que, mesmo antes da pandemia, já falava a seus alunos sobre consciência corporal que, primeiro, deveria ser atingida individualmente. "Para ser bom junto, a dança tem de ser boa sozinha", afirmou Milena.

Segundo Milena, essa também é uma oportunidade, principalmente para as mulheres, de não depositar todas as expectativas da dança no outro. "A gente ouvia muito coisas como: Se ele me levar, eu vou (no contexto de uma dança). Algumas mulheres deixam ser rebocadas, como cones da CET. Aprendendo sozinhas, elas ganham mais consciência corporal e confiança."

Online

É verdade que muitas escolas promovem aulas online. Apesar do sucesso, professores e alunos não se iludiram com os resultados. "Oferecemos a possibilidade do online para que mantivéssemos contato com os alunos. Nos reinventamos por meio do Zoom (plataforma de videoconferência). Ensinamos até mesmo os alunos mais idosos a usar essa ferramenta. Ainda assim, optamos por movimentos mais lúdicos. A impossibilidade de acompanhar de perto e corrigir movimentos fez com que tivéssemos cuidado com as aulas a distância", lembrou Vieira. "Apesar disso, acredito que essa é uma modalidade que veio para ficar", completou.

Do lado dos aprendizes, o online roubava o que de mais precioso parece existir em uma aula de dança: a sociabilização. "A dança é social. A presença física é essencial. Tem o olhar, o ambiente. Nada supera uma aula presencial", disse Villdene Feola, de 57 anos.

A dança, segundo muitos alunos, tem a capacidade de fazer com que a pandemia desapareça por uns minutos. "Ela transporta a gente para outro lugar. E tudo desaparece. O prazer de dançar é revigorante", garantiu Andréia Roman Cruz, de 45 anos. O envolvimento com os passos de dança faz com que os alunos também se esqueçam de qualquer incômodo provocado pelo uso da máscara.

Terapia

Não é raro encontrar quem comemore a volta das aulas presenciais por uma questão de saúde mental. "Uso a dança como terapia. Meu trabalho me deixa muito estressada. Dançar é minha válvula de escape", disse a produtora de eventos Heliane Garcia, de 37 anos. "Ficar sem dançar é muito difícil, terrível. A dança é uma terapia. Não sei viver sem dançar. É algo que eu faço desde muito pequena. É parte de quem eu sou", afirmou Maria Ester Carrião, de 44 anos.

Apesar das dificuldades impostas pelo Coronavírus, existe um consenso entre os donos de escola de dança. É provável que, segundo eles, o pós-Covid se transforme em uma época de ouro para esse tipo de atividade. "Parte do que é a dança vem dessa vontade do abraço. Hoje, estamos impedidos. Mas, logo, iremos valorizar mais essa possibilidade do abraço e do contato físico", explicou Vieira.

"As pessoas vão perceber que não vale a pena investir somente em suas profissões e seu trabalho. Vão procurar aquilo que lhes dá prazer", disse Jurado. "Acredito que as pessoas vão procurar ocupar o tempo livre com coisas que resultem em melhor qualidade de vida", completou Milena.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS