27 de novembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
SESI - Campanha Protocolo de Atendimento
VARIEDADES

Dilemas do Oscar

24 fevereiro 2019 - 06h00
Fort Atacadista Natal

Quando o cantor Adam Lambert iniciar uma homenagem ao grupo Queen, exatamente às 17 horas deste domingo, 24, em Los Angeles (20h em Brasília), os organizadores da 91ª cerimônia de entrega do Oscar vão ligar o cronômetro e cruzar os dedos - vai começar uma contagem regressiva que, esperam eles, não ultrapasse as três horas de duração. Afinal, o fantasma do ano passado, quando a festa de Hollywood durou quase quatro horas e foi vista por "apenas" 26,5 milhões de espectadores nos Estados Unidos (a pior marca desde que o Oscar passou a ser televisionado, em 1953), ainda assombra os produtores, que tomaram diversas atitudes (algumas descabidas) para evitar a piora na derrocada.

Uma delas foi não escolher um artista para ser o âncora da festa, algo que não acontecia desde 1989. Assim, não haverá um número musical satirizando os indicados, tampouco um discurso bem-humorado - ainda que, extraoficialmente, circulou a notícia de que Whoopi Goldberg surgiria de surpresa, assumindo a missão, mas nada foi confirmado. Para amenizar a ausência de um apresentador principal, uma legião de estrelas vai passar pelo palco do Dolby Theatre trazendo os envelopes com o nome dos ganhadores, nomes como os já confirmados Javier Bardem, Emilia Clarke, Samuel L. Jackson, Tina Fey, Whoopi Goldberg, Brie Larson, Jennifer Lopez, Charlize Theron, Chadwick Boseman, Helen Mirren, Daniel Craig, Michael B. Jordan, Michael Keaton, Chris Evans, Melissa McCarthy, Jason Momoa e Sarah Paulson.

Para apresentar os oito indicados para o Oscar de melhor filme, foram convidadas personalidades que não atuam diretamente no mundo do cinema, como a tenista Serena Williams e o chef espanhol José Andrés. Já o maestro venezuelano Gustavo Dudamel vai reger a Filarmônica de Los Angeles durante o momento em que serão lembrados os artistas e profissionais que morreram no ano passado. A meta é não perder a agilidade.

"Planejamos para que o primeiro Oscar seja entregue já no sexto ou sétimo minuto da cerimônia", anunciou Glenn Weiss, uma das produtoras do evento. Ela, aliás, no almoço que reuniu, na quinta-feira, 21, a maioria dos indicados, rogou para que todos os vencedores não ultrapassassem os 90 segundos em seus agradecimentos.

"Colaborem e assim todos poderão ir cedo para as festas pós-cerimônia", brincou.
Se a duração dos discursos pode até ser controlada, o mesmo não se pode dizer de seu conteúdo. No ano passado, quando fervilhavam importantes movimentos como o #MeToo, a cerimônia tornou-se política. Isso, no entanto, foi um dos motivos apresentados pela queda de audiência. E o que esperar neste ano, com tantos filmes abertamente políticos?

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
Departamento de Operações de Fronteira - Disque Denúncia