21 de janeiro de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
Agronegócio

Mercado de commodities está na expectativa por aprovação de pacote nos Estados Unidos

Presidente da Bolsa de Mercadorias, Carlos Dupas, acredita que mercado brasileiro de commodities agr
Presidente da Bolsa de Mercadorias, Carlos Dupas, acredita que mercado brasileiro de commodities agr - Divulgação

Setor de commodities agrícolas aposta na aprovação do resgate econômico norte-americano,  vislumbrando aquecimento da economia brasileira

O mercado brasileiro de produtos de venda internacional que estão na bolsa de valores (commodities) está na expectativa de aprovação pelo congresso norte-americano do plano de resgate econômico apresentado pelo presidente, George W. Busch. Independente disto influenciar ou não no resultado das eleições nos Estados Unidos - que tem dois candidatos presidenciais, Barack Obama e John McCain - os exportadores estão de olho na possibilidade de aquecimento da economia brasileira.

Embora o Brasil exporte apenas15% de suas commodities para os Estados Unidos – o restante vai para outros países como Alemanha e China – a expectativa da aprovação prevista para amanhã, segunda-feira, significa uma parcela de capital que deve chegar ao Brasil, oriunda dos 700 bilhões de dólares, que podem chegar até 1 trilhão de dólares.

O analista de mercado financeiro, Marcelo Karmouche, explica que os Estados Unidos são um termômetro que acalmam ou não a economia mundial por serem grandes importadores. Em sua experiência, ele afirma que o preço das commodities estavam em alta e agora tendem a baixar, ao contrário do dólar que está com cotação baixa, mas vai valorizar.

Karmouche, no entanto, ressalta que o mercado futuro, que é de commodities, funciona na base da especulação . “Tudo é muito instável, porém se o governo norte-americano “der” dinheiro os bancos, eles vão emprestar para as empresas que terão créditos para comprar produtos brasileiros e isto é muito bom para a economia local”.

Marcelo explica que por enquanto a economia norte-americana não vai influenciar fortemente no mercado de commodities brasileiras. O que pode ocorrer é uma correção para baixo. “A crise só vai refletir daqui um ou dois anos. As bolsas dão uma previsão do que vai acontecer daqui a algum tempo”, diz.

O presidente da Bolsa de Mercadoria de Mato Grosso do Sul, Carlos Dupas, diz que qualquer coisa que o pacote norte-americano consiga auxiliar a economia vai influenciar no mercado de commodities. Porém, as agrícolas são um pouco diferente, pois são último item a ser economizado. “A princípio é importante este pacote de resgate econômico porque ajuda muito o mercado internacional”.

Dupas acredita na alta do dólar e aposta que a moeda não desvalorize ao ponto de chegar a R$ 1,50 ou R$ 1,60. Para ele, o mínimo deve  ficar na casa dos R$ 2,00. Marcelo Karmouche dá como dica para quem não está ainda no mercado de ações que este é o momento para comprá-las, uma vez que estão com preços baixos, mas logo vão se recuperar. O interessante é fazer a aposta certa.
O pacote - O presidente, Bush apresentou um plano de resgate econômico que vai ser apreciado pelo congresso, no valor de US$ 700 bilhões – podendo chegar a até US$ 1 trilhão. Ele  diz que os EUA enfrentam um grande problema e que precisam agir com rapidez para socorrer a economia. Na contramão, lideranças políticas afirmam que se trata de uma espécie de manobra para influenciar no resultado das eleições, dando vantagem ao presidenciável John McCain em relação à Obama. Porém, a própria campanha de McCain diafirma que ‘o plano proposto pela atual administração não conta com a confiança e não irá proteger os contribuintes’’.

Banner Whatsapp Desktop