24 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
EDUCAÇÃO

Reabertura das escolas pós-pandemia é tema do Impressões deste domingo

Programa vai ao ar às 21h30 (MS), pela TV Brasil

9 agosto 2020 - 13h06
Profissionais de educação e pais, em muitos municípios brasileiros, começam a vislumbrar os primeiros sinais de uma retomada do ensino presencial suspenso desde o primeiro trimestre deste ano, em grande parte do país, como medida para conter a contaminaçã
Profissionais de educação e pais, em muitos municípios brasileiros, começam a vislumbrar os primeiros sinais de uma retomada do ensino presencial suspenso desde o primeiro trimestre deste ano, em grande parte do país, como medida para conter a contaminaçã - (Foto: TV Brasil)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Profissionais de educação e pais, em muitos municípios brasileiros, começam a vislumbrar os primeiros sinais de uma retomada do ensino presencial suspenso desde o primeiro trimestre deste ano, em grande parte do país, como medida para conter a contaminação pelo coronavírus. Nas cidades onde a contaminação da covid-19 entrou em patamares mais estáveis, os governos autorizaram a reabertura de escolas e definiram calendários.

A notícia gera ansiedade sobre a capacidade dessas instituições de garantir medidas sanitárias para evitar que a pandemia se reestabeleça ou até ganhe maiores proporções. “Vai ter que ter instalações para lavagem de mão, higienização, distanciamento e vai ter que ter um programa de cuidado para reincluir, sobretudo, as crianças e adolescentes que ficaram desvinculados nesse período e não puderam estudar da mesma maneira como outras crianças. Tem que ter um cuidado individualizado”, alerta a representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer.

Ao programa Impressões, da TV Brasil, que vai ao ar neste domingo  (9), às 21h30 (MS), Bauer fala das diferentes realidades entre regiões brasileiras e até mesmo dentro dos mesmos limites estaduais. Para ela, essa diversidade revela situações de escolas que sequer conseguiam garantir instalações apropriadas para aulas e que, agora, terão que enfrentar o desafio de assegurar condições de higiene mais exigentes e distanciamento.

Florence Bauer também alerta sobre “o risco de perder uma geração”. A especialista ressalta, principalmente, a parcela de adolescentes que se distanciou da comunidade escolar. “Mesmo antes da pandemia, havia 1,7 milhão de crianças e adolescentes fora da escola e uma grande parte são adolescentes. Só uma parte [dos que já estudavam] conseguiu ter acesso a um tipo de educação, mas uma parte não tem nem acesso a internet. [A adolescência] é uma fase de vida que esse vinculo é fundamental para o desenvolvimento”, afirmou.

Para ela, as escolas terão que se empenhar na busca ativa pelas crianças e adolescentes para uma integração e inclusão fluida, que respeite a situação de cada um.

Fechamento de instituições e internet

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, a especialista em políticas sociais lembrou que, ao longo desse período de fechamento das instituições de ensino, profissionais da área tiveram que se adaptar rapidamente ao modelo de ensino à distância. Para essa continuidade dos estudos foi fundamental o acesso à rede de internet. Mas, no Brasil, mesmo antes da pandemia, a exclusão digital já era uma realidade que ganhou proporções mais graves no atual momento.

Quase 5 milhões de crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos não têm acesso à internet no país. “Mais do que nunca a gente entendeu as consequências dessa exclusão digital. Nesta situação de pandemia, cada um de nós dependemos muito do acesso à internet, para ter acesso a qualquer tipo de informação”, destacou a representante da Unicef no Brasil.

A situação é ainda mais delicada quando se considera que, entre os que têm acesso, nem todos conseguem utilizar as redes com facilidade e volume de dados suficientes. Bauer reconhece que há um movimento generalizado em busca de melhorias neste setor e cita as negociações com empresas de telecomunicação e debates sobre leis de acesso a fundos de recursos que poderiam ser utilizados para ampliar essa infraestrutura no país. “Tem uma série de movimentações acontecendo, mas é preciso que elas se concretizem. É o momento de dar um passo radical para oferecer esse pacote mínimo [de acesso de dados] a todas as crianças e adolescentes, sobretudo as mais vulneráveis, como uma forma de buscar a inclusão digital”, defendeu.

Bauer aposta que a crise global vai provocar uma revisão de padrões de ensino e uma combinação de modelos. “Estamos em uma oportunidade única para fazer mudanças profundas que talvez não conseguiríamos fazer em situações normais. Nosso desafio é aproveitar o momento para repensar a educação e ter uma combinação da educação presencial e à distância”, defendeu.

Acesso à educação

O acesso à educação é um dos principais direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completou 30 anos em julho, sendo apontado, pela representante do Unicef, como uma das legislações mais sofisticadas do mundo e que coleciona avanços significativos ao longo dessas três décadas.

Na lista de conquistas elencada por Bauer está a redução de mais de 70% da mortalidade infantil, em decorrência de medidas como reforço do Sistema Único de Saúde (SUS), aumento dos níveis de imunização por vacina e campanhas de promoção do aleitamento materno e acompanhamento pré-natal. Outro dado é a retirada de quase cinco milhões de crianças e adolescentes do trabalho infantil.

Florence ainda lembra que, antes da implementação do ECA, 20% das crianças não iam para escolas. “Isto passou a 5% e, ao mesmo tempo, o Brasil aumentou o numero de anos de escolaridade obrigatória”, comemorou. Mas, com a fragilização inevitável de alguns direitos neste momento de pandemia, a especialista defende um esforço redobrado. “O fundamental é colocar as crianças e adolescentes no centro das políticas públicas. Mais do que nunca é fundamental aplicar o princípio da prioridade absoluta. Investir mais em educação, saúde e prevenção da violência para consolidar os avanços conquistados até agora”, concluiu.

A íntegra do Impressões fica disponível no site do programa.

Banner Whatsapp Desktop
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você apoia o retorno do ensino presencial em escolas públicas ainda no ano de 2020?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms