28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
ENERGIA ALTERNATIVA

Projeto de lei quer aumentar para 20% o uso obrigatório de fontes de energia renováveis

A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) foi a relatora da mudança proposta pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR).

29 fevereiro 2016 - 17h58
A senadora Simone Tebet atuou como relatora ad hoc e leu o relatório de Jucá.
A senadora Simone Tebet atuou como relatora ad hoc e leu o relatório de Jucá. - Reprodução
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

A Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional (CEDN) volta a se reunir na quarta-feira, 2,  às 15h. Na pauta, 13 projetos da Agenda Brasil — pauta apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, com o objetivo de incentivar a retomada do crescimento econômico do país.

Um dos itens da pauta é o Projeto de Lei do Senado (PLS) 433/2015, do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que propõe aumentar a participação mínima obrigatória das fontes renováveis alternativas na matriz elétrica brasileira. A Lei 10.438/2002 obriga a participação mínima de 10% de três fontes alternativas — eólica, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas — na matriz elétrica nacional, percentual a ser alcançado em 2022. O texto original do projeto previa alterar a lei, visando aumentar esse piso para 15%, a ser alcançado em 2025. No relatório final, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) elevou o percentual para 20%.

A matéria já teve sua discussão iniciada há duas semanas. A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) atuou como relatora ad hoc e leu o relatório de Jucá. O projeto também estabelece a ampliação do leque de fontes alternativas elegíveis para o alcance desse novo percentual, incluindo todas as fontes renováveis alternativas, com expressa citação das fontes termossolar, fotovoltaica, biogás, maremotriz, ondomotriz e hidrogênio. Como tramita em caráter terminativo, a matéria seguirá direto para a análise da Câmara dos Deputados, em caso de aprovação.

Reciclagem

Também consta da pauta o PLS 187/2012, que permite a dedução do imposto de renda de valores doados a projetos de reciclagem. Do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), o projeto estabelece que a dedução será de até 50% do valor total das doações feitas por pessoas jurídicas ou físicas. O texto ainda prevê que cada contribuinte poderá doar o equivalente a, no máximo, 4% do total do imposto de renda devido por empresas e de 6% no caso de pessoas físicas. A matéria tramita em caráter terminativo e, se aprovada na comissão, seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

Outro item a ser analisado é o PLS 341/2013, de autoria do senador Benedito de Lira (PP-AL), que estabelece incentivos à produção de peixes integrada à agricultura. O projeto também incentiva a utilização de resíduos provenientes da piscicultura na adubação de solo para plantios agrícolas. Entre os benefícios propostos aos produtores, estão: a dispensa do licenciamento ambiental para empreendimentos de pequeno porte, a prioridade na concessão e renovação de outorga de direitos de uso de recursos hídricos e a isenção da cobrança pelo uso de recursos hídricos para agricultores familiares. A matéria tramita em caráter terminativo e conta com o apoio da relatora, senadora Lúcia Vânia (PSB-GO).

Multas ambientais

A pauta da comissão também traz o PLS 741/2015, segundo o qual os recursos arrecadados com as multas por tragédias ambientais devem ser aplicados na recuperação das localidades onde o dano aconteceu. A proposta, do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), foi motivada pelos rompimentos das barragens do município de Mariana (MG), em novembro do ano passado. A lama tóxica causou mortes e deixou um rastro de destruição ambiental do leste de Minas até o Espírito Santo.

Por conta de uma emenda apresentada em Plenário, volta à pauta da comissão o PLS 186/2014, que regulamenta os jogos de azar no Brasil. A comissão ainda deve analisar o PLS 444/2013, que traz alterações nas regras de licitação e concessão de obra pública; o PLS 203/2014, que trata da manifestação de interesse da iniciativa privada; e o PLS 313/2011, que dispõe sobre a destinação dos recursos de premiação das loterias federais não procurados. Também consta na pauta o PLS 769/2015, que amplia medidas de combate ao tabagismo.

(Com Agência Senado)

 

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
GAL COSTA
pmcg ms
TJ MS