27 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
TECNOLOGIA

Operação Marte: Perseverance, o novo robô da Nasa, está pronto para decolar

A previsão é de que a espaçonave americana deixe a Terra no dia 30 de julho e chegue em Marte em 18 de fevereiro de 2021

19 julho 2020 - 15h24
Mais avançada neste campo de exploração espacial, a Mars 2020, missão americana, da Nasa, buscará sinais de vida no planeta vermelho
Mais avançada neste campo de exploração espacial, a Mars 2020, missão americana, da Nasa, buscará sinais de vida no planeta vermelho - (Foto: Divulgação)

A cada dois anos e dois meses cria-se a condição ideal para viajar até Marte: as órbitas da Terra e do planeta vermelho alinham-se e ficam mais próximas, facilitando o caminho. O ano de 2020, especificamente entre os meses de julho e agosto, é uma chance dessas - e, mesmo em meio à pandemia, a oportunidade não será desperdiçada. Três países (Estados Unidos, China e Emirados Árabes Unidos) pretendem enviar missões não tripuladas a Marte nos próximos dias, com o objetivo de explorar o território marciano e desenvolver técnicas para levar humanos até o planeta vermelho um dia.

Mais avançada neste campo de exploração espacial, a Mars 2020, missão americana, da Nasa, buscará sinais de vida no planeta vermelho - para isso, o projeto pretende trazer amostras de rochas e sedimentos marcianos de volta à Terra pela primeira vez na história. Quem fará a viagem até Marte é o rover Perseverance (Perseverança, na tradução do inglês), que tem o tamanho de um carro e, segundo a Nasa, é o veículo mais sofisticado que a agência já enviou ao planeta.

A previsão é de que a espaçonave americana deixe a Terra no dia 30 de julho e chegue em Marte em 18 de fevereiro de 2021. O local escolhido para o pouso foi a cratera Jezero, pois há cerca de 3 bilhões a 4 bilhões de anos existiu um imenso lago no local, em uma área de 500 quilômetros quadrados.

Os cientistas acreditam que é um terreno promissor para encontrar moléculas orgânicas e vida microbiana. Não há data para o retorno à Terra. Possivelmente em 2031.

A China e os Emirados Árabes Unidos, com projetos menores, também querem bater metas: o país asiático planeja enviar um veículo para a superfície marciana pela primeira vez, enquanto a nação árabe pretende ser a primeira da região a realizar uma missão interplanetária, com o lançamento de uma sonda para orbitar Marte e coletar informações sobre o clima de lá.

Essas missões são novas partes de estudos que começaram há muito tempo. Desde a década de 1970, uma série de sondas e satélites já foi enviada a Marte por diferentes países. Os rovers, especificamente, capazes de fazer estudos mais detalhados do que simples sondas e satélites, lá estiveram cinco vezes desde 1997 - todas em missões da Nasa. O último veículo a pousar na superfície do planeta vermelho foi o Curiosity, em 2012, que, entre outras descobertas, revelou a existência, no passado, de água estável.

Para Alexandre Zabot, professor de Engenharia Aeroespacial da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), vivemos hoje uma corrida espacial assim como tivemos no passado o período das Grandes Navegações. "Nós, humanos, gostamos desses desafios. O que a população europeia sentiu e viveu nas Grandes Navegações, vamos sentir e viver nas próximas décadas. Serão novos mundos a descobrir", diz. "Dentro disso, Marte tem um encanto diferente porque não é apenas um satélite, é um planeta com seus próprios fenômenos geológicos, e que, diferentemente da Lua, tem grande chances de ter abrigado vida no passado."

Astrônomo e cientista de dados da prefeitura do Rio, Alexandre Cherman vai além. Na opinião dele, a tendência é que esteja começando uma corrida espacial semelhante à do período da Guerra Fria. A diferença é que agora os EUA disputam a soberania econômica e tecnológica com a China e não mais com a antiga União Soviética. "O que move esses grandes países é se mostrar como potência dominante. É triste do ponto de vista sociológico perceber que a nossa espécie caminha dessa maneira, mas para a ciência é importante que haja grandes investimentos na exploração do espaço."

Missão. Uma das cabeças por trás da Mars 2020 é brasileira: o engenheiro Ivair Gontijo, que trabalha na Nasa há 14 anos, especificamente no laboratório Jet Propulsion Laboratory (JPL), em Pasadena, no Estado da Califórnia.

É a segunda vez que esse mineiro, nascido na pequena cidade de Moema, trabalha em uma missão rumo ao planeta vermelho. Em 2012, ele participou do projeto da Nasa que enviou o rover Curiosity para Marte.

Autor do livro A Caminho de Marte (Editora Sextante), o engenheiro chegou até a organização americana depois de se formar em Física na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e passar pela Universidade Glasgow, na Escócia, e pela Universidade da Califórnia (UCLA). Ele entrou na Nasa inicialmente para trabalhar com lasers, sua especialidade, mas depois foi convidado a liderar o grupo que construiu os transmissores e receptores do radar que controlou a descida do robô Curiosity em solo marciano - uma área na qual ele adquiriu experiência durante trabalhos anteriores em empresas de telecomunicações por fibra óptica.Segundo ele, uma das contribuições dessas missões com rovers é preparar o terreno para viagens com humanos ao planeta vermelho.

"Um dos instrumentos do Curiosity, por exemplo, mede radiação. Precisamos saber o nível de risco que os astronautas enfrentariam em Marte. Agora, nesta nova missão, se conseguirmos trazer amostras para a Terra será um processo de desenvolvimento da tecnologia de como trazer coisas de volta", afirmou entrevista ao Estadão. "O Perseverance também tem um instrumento que vai tentar demonstrar a produção de oxigênio em Marte."

Gontijo acredita, porém, que o feito de uma viagem tripulada para Marte ainda está longe. "Os problemas tecnológicos, biológicos e psicológicos são gigantescos. Ainda tem muita coisa a ser desenvolvida. Mas os problemas podem ser resolvidos, com certeza, porque são questões de engenharia e engenheiros conseguem procurar soluções", diz. "Mas não arriscaria uma previsão."

Semanas antes do lançamento do Perseverance, os ânimos estão tranquilos: "Acho que vai dar tudo certo. O veículo já foi todo testado e montado dentro do foguete. Esperamos fazer essas descobertas de material orgânico genuinamente marciano. Isso vai revolucionar o nosso entendimento sobre Marte." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms