27 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
JBS - Covid 19
POLÍTICA

'O mundo não está nos olhando horrorizado por acaso', diz Barroso sobre desmatamento na Amazônia

Ministro do STF fez referência ao desmatamento na região amazônica falou sobre a importância de conter o contágio por covid-19 entre a população indígena

3 agosto 2020 - 19h09
O ministro do STF Luís Roberto Barroso
O ministro do STF Luís Roberto Barroso - (Foto: Arquivo)
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Saiba Mais

Na primeira sessão de julgamentos do Supremo Tribunal Federal (STF) deste semestre, o ministro Luís Roberto Barroso disse nesta segunda-feira, 3, que o mundo não está "olhando horrorizado por acaso" para o Brasil, ao fazer referência sobre o desmatamento na região amazônica.

Barroso reiterou na sessão desta segunda-feira os fundamentos da decisão que obrigou o governo federal a adotar medidas para conter o contágio e a mortandade por covid-19 entre a população indígena. A decisão de Barroso foi tomada em 9 de julho, horas depois dos vetos do presidente Jair Bolsonaro a dispositivos da lei que define medidas de contenção do coronavírus em territórios indígenas e quilombolas.

Agora, o plenário do STF vai decidir se confirma ou não a liminar de Barroso.

Segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, já foram confirmados 21.646 casos de covid-19 entre os povos indígenas do Brasil, dos quais 623 resultaram em morte.

"A remoção dos invasores das terras indígenas é medida imperativa, imprescindível e é dever da União. É inaceitável a inação do governo federal não de um específico, de qualquer um e talvez de todos até aqui em alguma medida, é inaceitável a inação em relação a invasões em terras indígenas. Inclusive porque estas invasões vêm associadas a prática de diferentes crimes ambientais, não apenas um oferecimento de grave risco para os indígenas, e não apenas a invasão de áreas demarcadas que lhe são asseguradas constitucionalmente, mas estas invasões são para a prática de crimes, como desmatamento, queimadas, como a extração ilegal de madeira e a degradação da floresta", disse Barroso.

"Não é pequena a consequência da degradação e do desmatamento. O mundo não está nos olhando horrorizado por acaso, é porque há consequências para o ciclo da água, há consequências para a biodiversidade, para a mudança climática, e eu espero que com grande atraso, mas não tarde demais, o Brasil tenha, pela sua sociedade e pelo seu governo, acordado para a importância do papel que nós representamos para o mundo e o dever que temos de criar uma economia sustentável, sobretudo para a Amazônia para que a preservação da floresta de pé valha mais do que a ambição de derrubá-la", acrescentou o ministro.

Barroso determinou, no mês passado, que o governo instale uma sala de situação para acompanhar ações de combate à pandemia voltadas para povos indígenas. Também determinou que o governo elabore um plano de enfrentamento da covid-19 para essa população, incluindo medidas de contenção e isolamento de invasores nas terras indígenas.

O julgamento será retomado nesta quarta-feira, quando os outros 10 ministros do STF devem se pronunciar.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS INTERNO

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms