18 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
maracaju covid
DO PANTANAL PARA O MUNDO

Livro internacional aborda Pesca no Pantanal

O livro "Freshwater Fisheries Ecology" ("Ecologia da Pesca de Água Doce", em tradução livre) tem 898 páginas, feitas pela editora de trabalhos científicos Wiley Blackwell

9 março 2016 - 11h00Da redação com informações da assessoria
O livro aborda a pesca de água doce em escala mundial, fala sobre os escossitemas e o desenvolvimento da pesca.
O livro aborda a pesca de água doce em escala mundial, fala sobre os escossitemas e o desenvolvimento da pesca. - Assessoria
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Uma importante publicação sobre a pesca de água doce no mundo, lançada este ano, conta com informações sobre a atividade produzida especificamente para a região pantaneira. O livro "Freshwater Fisheries Ecology" ("Ecologia da Pesca de Água Doce", em tradução livre) é uma publicação de 898 páginas feita pela editora de trabalhos científicos Wiley Blackwell. A edição foi feita pelo pesquisador John Craig, que também é editor-chefe da revista "Journal of Fish Biology", ou "Jornal da Biologia dos Peixes".

De acordo com Agostinho Catella, pesquisador da Embrapa Pantanal que integrou o time de colaboradores brasileiros do projeto, "o livro aborda a pesca de água doce em escala mundial. Fala sobre os escossitemas, o desenvolvimento e a gestão das pescarias, os efeitos das perturbações ambientais sobre a atividade e outros aspectos. Na seção sobre os recursos pesqueiros, a publicação apresenta as pescarias de água doce em todos os continentes. Um dos capítulos fala sobre a pesca na América no Sul", afirma.

Segundo Agostinho, John Craig convidou o pesquisador Mário Barletta – professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife – para reunir uma equipe que pudesse apresentar as informações mais relevantes sobre a pesca no continente sul-americano. "O Mário buscou especialistas em sete bacias no continente: do rio Magdalena, do rio Orinoco, da Bacia Amazônica, do rio São Francisco, do rio de La Plata, da Lagoa dos Patos e dos lagos da Patagônia", afirma. Dessa forma, os pesquisadores Agostinho Catella, Angelo Agostinho (da Universidade Estadual de Maringá – UEM) e Claudio Baigún (do Instituto Tecnológico de Chascomus, na Argentina) ficaram responsáveis pela seção que descreveu a pesca na bacia do rio de La Plata. O pesquisador da Embrapa Pantanal abordou mais diretamente a região pantaneira na publicação.

"Nós descrevemos como funciona a pesca profissional artesanal e amadora (ou recreativa) no Pantanal e sua estreita relação com o ambiente, assim como suas variações. Apresentamos as tendências que elas seguiram desde que tiveram início, as políticas pesqueiras que foram adotadas e os conflitos de interesse entre os atores. Depois, abordamos a produção pesqueira – trecho que foi baseado, principalmente, nas informações que produzimos por meio do Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul, o SCPesca/MS", afirma. Esse sistema, desenvolvido por meio de uma parceria com o Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (Imasul – SEMADE/MS) e 15º Batalhão da Polícia Militar Ambiental (15º BPMA-MS), possui cerca de 20 anos de dados coletados. "Em relação à coleção de informações sobre pesca profissional artesanal e amadora de água doce, seguramente é o maior conjunto que existe no país", diz Agostinho.

Para a bióloga Fânia Campos, fiscal ambiental do Imasul, a publicação dos dados sobre a atividade pesqueira na bacia do Alto Paraguai é um reconhecimento significativo para o SCPesca/MS. "É a representação de que o nosso trabalho está sendo validado. Os dados e informações obtidos pelo Sistema também são utilizados para o gerenciamento e ordenamento da atividade no estado. São informações que só existem aqui em MS", afirma Fânia. Para Agostinho, uma coleção extensa como a do SCPesca/MS favorece a percepção das mudanças sofridas pela atividade ao longo dos anos. "A gente consegue enxergar o contraste entre o que a pesca foi, por exemplo, quando somente a pesca profissional artesanal era realizada, e como é a situação atual, em que há outros atores atuando", diz. "Nós temos a pesca de subsistência, a pesca profissional artesanal (atividade tradicional que cumpre um papel socioeconômico de grande importancia na região) e a pesca amadora, que gera emprego, renda, movimenta a economia e continua fazendo do Pantanal o principal destino no Brasil para a atividade".
 

Confira o link do livro "Freshwater Fisheries Ecology" no site da editora http://onlinelibrary.wiley.com/book/10.1002/9781118394380

Banner Whatsapp Desktop
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Considerando a pandemia do novo coronavírus, você acha que o TSE deveria ter editado resolução e tornado o voto não obrigatório este ano?

Votar
Resultados
GAL COSTA
TJ MS
pmcg ms