23 de janeiro de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
SENAR -  Curso Técnico Agropecuário
REFORMA TRABALHISTA

Reforma trabalhista deve ser votada no plenário do Senado em junho, diz relator

17 maio 2017 - 19h05
MÊS DA ECONOMIA COMPER

O relator da reforma trabalhista nas comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, Ricardo Ferraço (PSBD-ES), disse hoje (17) que a proposta deve ser votada pelo plenário da Casa entre os dias 12 e 15 de junho.

Ferraço informou que pretende apresentar seu relatório na CAE no próximo dia 29 e na CAS no dia 7 de junho. “A nossa perspectiva é de que entre os dias 12 e 15 de junho possamos concluir o processo de votação dessa matéria que flexibiliza as leis trabalhistas e, ao mesmo tempo, que protege, defende os direitos fundamentais da pessoas que trabalha na área urbana e rural”, disse Ferraço.

Além da CAE e da CAS, a reforma trabalhista também será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Na comissão, o relator da matéria é o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que também já anunciou que não fará modificações no texto.

O tucano reafirmou que não pretende modificar o texto aprovado pela Câmara dos Deputados. Umas das prioridades do governo Michel Temer, caso a proposta seja mudada pelos senadores terá que passar por nova votação na Câmara.

Segundo Ferraço, poderão ser feitos “ajustes” de redação e que as modificações de mérito serão feitas posteriormente por meio de medida provisória. “São ajustes que não alteram a essência fundamental dessa atualização, fundamental para o mercado de trabalho. Essas mudanças constarão da minha fundamentação e justificativas, mas o ajuste legal será conduzido por edição de medida provisória”, disse.

Entre as sugestões de mudanças, segundo o relator, está o veto à possibilidade de gestantes trabalharem em locais insalubres e a regulamentação da jornada intermitente.

“Achamos extremamente perigoso, problemático, vulnerável que mulheres grávidas e lactantes possa trabalhar em local insalubre. Precisamos proteger a mulher e o neném que ela carrega em seu ventre”, explicou Ferraço.

“Da mesma forma achamos que a jornada intermitente interpreta uma realidade do mercado de trabalho. Por isso, vamos manter a jornada intermitente, mas vamos disciplinar para atividade de comércio e de serviço”.

Banner Whatsapp Desktop
TJ MS