03 de março de 2021 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
AO VIVO Acompanhe a transmissão do jornal GIRO ESTADUAL DE NOTÍCIAS
Transmitido simultaneamente para as emissoras do Grupo Feitosa de Comunicação
IMPEACHMENT

Comissão marca depoimento de Dilma para 6 de julho

O atraso no calendário inicial se deve ao número de testemunhas que a defesa teve direito, que foi fixado em 40

22 junho 2016 - 16h58Da redação com informações O Globo
O depoimento de Dilma estava previsto no cronograma inicial para o dia 20 de junho. A nova data, 6 de julho, foi fixada após consulta com acusação e defesa
O depoimento de Dilma estava previsto no cronograma inicial para o dia 20 de junho. A nova data, 6 de julho, foi fixada após consulta com acusação e defesa - Divulgação

A comissão especial do Senado que analisa o processo de impeachment aprovou um novo cronograma prevendo o depoimento da presidente Dilma Rousseff no colegiado em 6 de julho. Ela pode não comparecer e ser representada pelo advogado, o ex­ministro José Eduardo Cardozo. A nova estimativa de prazos fixados prevê o julgamento definitivo para o final de agosto, após a Olimpíada do Rio.

O atraso no calendário inicial se deve ao número de testemunhas que a defesa teve direito, que foi fixado em 40, e à decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) que atendeu a pedido do advogado da presidente afastada e determinou a realização de perícia nos autos.

O depoimento de Dilma estava previsto no cronograma inicial para o dia 20 de junho. A nova data, 6 de julho, foi fixada após consulta com acusação e defesa. Foi através dessa consulta que se conseguiu reduzir dez dias do prazo final. A acusação informou que vai usar apenas cinco dias para as alegações finais, e não os quinze previstos.

Assim, a comissão especial poderá tomar sua decisão no dia 4 de agosto. O plenário realizaria uma votação na semana seguinte e o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, teria de marcar o início do julgamento para até o dia 25 de agosto, se todos os prazos forem cumpridos. A estimativa é que o julgamento definitivo em plenário demore de três a cinco dias. Somente para a decisão final é exigido o voto de pelo menos 54 dos 81 senadores para o afastamento definitivo de Dilma.

(Da redação com informações O Globo)

 

Banner Whatsapp Desktop
Banner TCE