28 de setembro de 2020 Grupo Feitosa de Comunicação
(67) 99974-5440
(67) 3317-7890
PMCG
DESCONTO

Prefeitura de Campo Grande alerta para prazo de pagamento do IPTU com desconto

Os contribuintes da Capital têm até o dia 11 de janeiro para pagar o IPTU e ganhar desconto de 20%

4 janeiro 2016 - 12h35Da redação
Arquivo
O FLOR DA MATA - NOTICIAS

Os contribuintes de Campo Grande têm até o dia 11 de janeiro para pagar o IPTU e ganhar desconto de 20%, também apenas para os contribuintes adimplentes, e que corresponde ao maior desconto entre as capitais brasileiras. A data de vencimento do IPTU é dia 12 de fevereiro de 2016 e, para pagamento à vista (em única parcela) o contribuinte terá 10% de desconto, ou caso opte pelo parcelamento, terá desconto de 5%. Esses descontos são válidos para os contribuintes que estiverem em dia com o imposto (carnês da cor azul).

Segundo o secretário Disney Fernandes, o IPTU é baseado no valor venal do imóvel, cujo valor é apurado através de critérios gerais e legais de avaliação, tendo como referência básica o mercado imobiliário de terreno e o custo da construção. Essa avaliação segue a regra de mercado de oferta e procura que pode ser diferente em diversos setores da cidade, e não tem nenhum relacionamento com índices inflacionários.

“O IPTU, devido à sua forma de cobrança, acaba por se tornar o vilão dos impostos, pelo fato de o contribuinte receber uma cobrança direta, ou seja, uma conta para pagar. Os demais impostos estão embutidos nos valores dos produtos, por exemplo, os 48,28% que incidem sobre a conta de luz, ou os 55,1% no valor de uma máquina de lavar roupas. Por este motivo devemos demonstrar a forma de cálculo sobre os imóveis territoriais e prediais e o que representa em valores que a prefeitura arrecada e que lhe permite administrar o município”, disse Disney Fernandes.

Para o cálculo de IPTU 2016, buscou-se impedir a evasão fiscal utilizando-se de inteligência fiscal com o uso do georreferenciamento (Telerecad Fiscal). Foram feitos comparativos através de imagens aéreas captadas em 2013 e pode-se constatar que áreas cujos impostos eram lançados como territoriais, hoje estão ocupados por residências, erguidas de forma clandestinas, ou seja, sem registro do imóvel na planta urbana. Estima-se que entre cinquenta e sessenta mil edificações estejam nessa situação. Neste levantamento constatou-se que 18.897 imóveis nessas condições, sejam imóveis recém construídos ou que sofreram ampliação.

Banner Whatsapp Desktop
GAL COSTA

Últimas Notícias

ver todas as notícias

Enquete

Você já sabe em quem votar para prefeito de seu município?

Votar
Resultados
FORT ATACADISTA - Carne Fresca (interno)
pmcg ms
TJ MS